A EXPERIÊNCIA DO ALUNO COMO USUÁRIO NO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM (AVA)

Andrezza Miranda da Silva, Cristiana Rodrigues Carvalho

Resumo


O presente estudo traz como discussão a experiência do aluno como usuário no Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) diante destes softwares que disponibilizam conteúdos, permitindo a colaboração e a comunicação entre docente e alunos, oferecendo recursos para a aprendizagem coletiva e individual, concomitantemente. O estudo é uma revisão bibliográfica, tendo como base a consulta a artigos científicos, publicações em revistas especializadas, assim como a opinião de diversos autores sobre o processo de ensino e aprendizagem em ambiente online. A revisão bibliográfica sobre Ensino a Distância aponta para o surgimento de estudos que relacionam os diferentes fatores motivacionais – que incluem os aspectos situacionais dos alunos como o tipo de comportamento do usuário; perfil social, econômico e ideológico – que contribuem e influenciam na continuidade dos estudos à distância. Reúne informações e impressões dos usuários de ensino a distância que responderam ao formulário eletrônico entre os dias 28 de setembro e 04 de outubro de 2020 enumerando as dificuldades encontradas durante o processo de apreensão e interpretação dos dados, conjugando as alternativas de gestão e melhoria destes processos. Nos relatos foram eleitas diversas vantagens em relação ao método de ensino, ao formato das informações e as interações com os tutores e mediadores; auxiliados pelas metodologias ativas de Design Instrucional e Thinking

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, M. (2004). Tecnologia e educação à distância: abordagens e contribuições dos ambientes digitais e interativos de aprendizagem. Disponível em: https://www.anped.org.br/reunioes/26/trabalhos/mariaelizabethalmeida.rtf Acesso: 23 de ago. 2020

ARMENGOL, M.C. Universidadsin classes. Educaciónà distância em América Latina. Caracas: OEA UMA Kepelusz, 1987.

BERBEL, N. A. N.. As metodologias ativas e a promoção da autonomia de estudantes: Ciências Agrárias. Semina: Ciências Sociais e Humanas, Londrina, Paraná/PR., v. 32, n. 1. 2011. Universidade Estadual de Londrina.

BRASIL. Medida provisória no 1.569-9, de 11 de dezembro de 1997. In: Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 14 dez. 1997. Seção 1, p. 29514. Acesso: 23 de nov. 2020

BRASIL. Portaria nº 356. In: Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF. 11 de março de 2020 Disponível em https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/portaria-n-356-de-11-de-marco-de-2020-247538346. Acesso: 23 de nov. 2020.

BRAYNER, A. R. A.; MEDEIROS, C. B. Incorporação do tempo em SGBD orientado a objetos. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE BANCO DE DADOS, 1994, São Paulo. Anais. São Paulo: USP, 1994.

BROWN, T. Design Thinking. In: Harvard Business Review, p. 84-92, 2008

BOHADANA, E; VALLE, L. O quem da educação à distância. Revista Brasileira de Educação, v.14, n. 42, 2009.

COOPER, R.; JUNGINGER, S.; LOCKWOOD, T. Design thinkingand design management: A researchandpractice perspective. In: LOCKWOOD, T. (Ed.), Design thinking. New York, NY: Allworth Press, 2010.

CORTIMIGLIA, M. N.; FOGLIATTO, F. S. Modelo conceitual para o desenvolvimento de Ambientes Virtuais de Aprendizagem via Internet. 2005. Disponível em: http://www.abepro.org.br/biblioteca/ENEGEP2005_Enegep1104_1822.pdf. Acesso em 10 de ago. 2020

DIAS, C. Usabilidade na Web: criando portais mais acessíveis. 2ª Ed. Rio de Janeiro: Altabooks , 2007.

ENGLISH, R; DUNCAN-HOWELL, J. (2008). Facebook goestocollege: Using social networking tools tosupportstudentsundertakingteachingpracticum. Journalof Online Learning andTeaching, 4(4), 596-601. Disponível em: https://jolt.merlot.org/vol4no4/english_1208.htm. Acesso em 10 de ago 2020

FRANCO, Marcelo Araújo; CORDEIRO, Luciana Meneguel; CASTILLO, Renata A. Fonseca del. (2003). O Ambiente Virtual de Aprendizagem e sua Incorporação na Unicamp. Disponível em: www.scielo.br/pdf/ep/v29n2/a11v29n2.pdf; Acesso em: 20.01.2020.

GOMES, L. G. F. F. Novela e sociedade no Brasil. Niterói: EdUFF, 1998. 137 p., 21 cm. (Coleção Antropologia e Ciência Política, 15). Bibliografia: p. 131-132. ISBN 85-228-0268-8.

GURGEL, C. Reforma do Estado e segurança pública. Política e Administração, Rio de Janeiro, v. 3, n. 2, p. 15-21, set. 1997.

HAGUENAUER, Cristina Jasbinschek; LIMA, Luciana Guimarães Rodrigues; CORDEIRO FILHO, Francisco. Comunicação e interação em ambientes virtuais de aprendizagem. In: CONGRESSO INTERNACONAL DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA, 16., 2010, Foz do Iguaçu. Anais... Foz do Iguaçu: ABED, 2010. 11p. Disponível em: Acesso em: 13 jul. 2015.

INEP/MEC. Resumo técnico: Censo da Educação Superior de 2012. Brasília: Censo, 2013.

KENSKI, V. M. Tecnologias e ensino presencial e a distância. Campinas: Papirus, 2003.

KRIPPENDORFF, K. PropositionsofHuman-centeredness: A Philosophy for Design. In: DURLING, D.; FRIEDMAN, K. (Eds.). DoctoralEducation in Design: Foundations for the Future. Staffordshire (UK): StaffordshireUniversity Press, 2000.

KOOGAN, André; HOUAISS, Antonio (Ed.). Enciclopédia e dicionário digital 98. Direção geral de André Koogan Breikmam. São Paulo: Delta: Estadão, 1998. 5 CD-ROM.

LEAL, L. N. MP fiscaliza com autonomia total. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, p. 3, 25 abr. 1999.

MERCADO, Luis Paulo Leopoldo. Dificuldades na Educação a distância Online. 2007.

NAVES, P. Lagos andinos dão banho de beleza. Folha de S. Paulo, São Paulo, 28 jun. 1999. Folha Turismo, Caderno 8.

MCLOUGHLIN, Catherine; LEE, Mark J. W. The Three P’ sof Pedagogy for the Networked Society: Personalization, Participation, and Productivity. International Journal of Teaching and Learning in Higher Education. vol 20, n 1, 2008.

MUGNOL, M. A Educação a Distância no Brasil: conceitos e fundamentos. Revista Diálogo Educacional, v.9, n. 27, 2009.

PEREIRA, A.T.C. Ambientes Virtuais de Aprendizagem em Diferentes Contextos. Rio de Janeiro. Ciência Moderna, 2007.

PILETTI, Nelson. Psicologia educacional. 10 ed. São Paulo: Ática, 1991.

PLATTNER, H.; MEINEL, C.; LEIFER, L. (Eds). Design Thinking: understand, improve, apply. Springer: Verlag Berlin Heidelberg, 2011.

ROMERO, T. Educação sem distância: as tecnologias interativas na redução de distâncias em ensino e aprendizagem. São Paulo: Senac, 2010.

SANCHO, J.M. Para promover el debate sobre los entornos virtuales de enseñanza y aprendizaje. SEMINÁRIO VIRTUAL DA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE BELO HORIZONTE “INTERNET NA ESCOLA”, 2004. Disponível em http://www.pbh.gov.br/smed/capeonline/seminario/juana.html. Acesso em: 18 de abril de 2020.

SHARMA, Kunal. Financial implicationsofimplementingan e-learningproject. Journal of European Industrial Training. Vol. 35 No. 7, 2011.

WONG, David H. Reflectionsonstudent-universityinteractions for nextgenerationlearning. Asia Pacific Journalof Marketing andLogistics. Vol. 24 Nº. 2, 2012.

SAE EDUCACIONAL. Avaliação no ensino a distância? Confira dicas essenciais! 2020. In: Sae Digital. Disponível em https://sae.digital/avaliacao-no-ensino-a-distancia/ acesso em 12. Dez. 2020.

SILVA, A. C. (Org). Aprendizagem em Ambientes Virtuais de Aprendizagem e educação a distância. Porto Alegre: Mediação, 2009.

VALADARES, J. Teoria e prática de educação a distância. Lisboa: UAB, 2011.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição  4.0 Internacional.