EDUCAÇÃO AMBIENTAL E AS TEORIAS CURRICULARES PÓS CRÍTICAS: REFLEXÕES

Fernanda Campello Nogueira Ramos, Hugo José Coelho Corrêa de Azevedo, Clélia Christina Mello-Silva

Resumo


As atuais propostas de inclusão da Educação Ambiental (EA) no currículo formal como disciplina delimitada, e não somente como temática transversal, dentro do processo educacional brasileiro estimulam o debate sobre de que maneira a EA tem sido tratada no ambiente escolar e como poderia ser desenvolvida no que tange aos caminhos estruturais curriculares. A EA crítica, que na prática tem sido a crítica pela crítica, precisa ser traduzida em ações reais, contextualizadas à realidade social dos territórios e englobando a multiculturalidade e as minorias. O objetivo deste ensaio acadêmico é discutir de forma teórica o contexto da educação ambiental no currículo formal e propor formas de se viabilizar a EAC para efetiva mudança dos indivíduos que a vivenciam. Neste sentido, as Teorias Curriculares Pós Críticas constituem uma importante ferramenta para a práxis da EA, especialmente em tempos de implementação da Nova Base Comum Curricular no ensino formal brasileiro.

Palavras-chave


Educação Ambiental; Currículo; Pós Crítica; Multiculturalismo; Meio Ambiente.

Texto completo:

PDF

Referências


ANTONIO, J. M. A., KATAOKA, A. M., & NEUMANN, P. N. As percepções de docentes acerca da Educação Ambiental. Revista Sergipana De Educação Ambiental, 7(2), 1-21. 2020

APPLE, M. Ideologia e currículo 3 ed. – Porto Alegre: Artmed, 2006

BRASIL, Decreto nº 4281, de 25 de Junho de 2002. Abril de 1999, que institui a Política Nacional de Educação Ambiental. Brasília. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/2002/d4281.htm Acesso em: 08/11/3019

BRASIL, Lei nº9795, de 27 de abril de 1999. Institui a Politica Nacional de Educacao

Ambiental. Brasilia. Disponivel em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9795.htm Acesso em: 08/11/2019

BRASIL, Programa Nacional de Educação Ambiental, 3 Ed, Ministério da Educação, Brasilia,2005. Disponivel em: http://portal.mec.gov.br/secad/arquivos/pdf/educacaoambiental/pronea3.pdf Acesso em:

/11/2019

BRASIL. Resolução nº 12 de 16 de Janeiro de 2015. Estabelece parâmetros para a garantia das condições de acesso e permanência de pessoas travestis e transexuais. Brasília. 2015. BRASIL. Resolução nº 14/99 de 10 de Novembro de 1999. Fixa diretrizes nacionais para o funcionamento das escolas indígenas. Brasília.1999.

BRUGGER, P. Educação ou adestramento ambiental? 3ª edição. Florianópolis/SC.

Editoras Letras Contemporâneas. 2004.

CAMPOS, M. A. T. A formação de educadores ambientais e o papel do sistema educativo para a construção de sociedades sustentáveis Rio Grande do Sul: Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental do PPGEA-FURG — V32 — N2 — P. 266-282— 2015. Disponível em: https://periodicos.furg.br/remea/article/download/5543/3451 Acesso em: 12/11/2019

DE ARAÚJO, A. Um plano educacional para um novo tempo: Anísio Teixeira e as escolas classe/escola parque de Brasília. Caderno Eletrônico de Ciências Sociais: Cadecs, v. 3, n. 2, p. 39-52, 2015.

DEWEY, J. Educação e democracia. 5. ed. São Paulo: Melhoramentos, 1965.

DIAS, B. C.; BONFIM, A. M. A “teoria do fazer” em educação ambiental crítica:uma reflexão construída em contraposição à educação ambiental conservadora. ENPEC,

Disponível em: https://docplayer.com.br/8205232-A-teoria-do-fazer-em-educacao-ambiental-critica-uma-reflexao-construida-em-contraposicao-a-educacao-ambiental-conservadora.html Acesso em: 12/11/2019

FERREIRA, D. Do formalismo ôntico à ontologia: por um currículo jurídico pós-crítico. Pró-Discente, v. 22, n. 1, 2016.

FERREIRA, C. L. R.; PEREIRA, K. A.; LOGAREZZI, A. M. Educação ambiental dialógico-crítica e educação do campo: buscando caminhos contra hegemônicos.

Ambiente & Educação, [S. l.], v. 25, n. 2, p. 417–447, 2020. DOI: 10.14295/ambeduc.v25i2.11517. Disponível em: https://periodicos.furg.br/ambeduc/article/view/11517. Acesso em: 15 mar. 2022. FORQUIN, J. As abordagens sociológicas do currículo: orientações teóricas e perspectivas de pesquisa. Educação & Realidade, v. 21, n. 1, 1996.FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 42. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1968.

GUERRA, M; CUSATI, I; COSTA, K. Por um currículo plural na perspectiva do multiculturalismo. Dialogia, n. 30, p. 157-168, 2018.

GUERRA, M; CUSATI, I; COSTA, K. Por um currículo plural na perspectiva do multiculturalismo. Dialogia, n. 30, p. 157-168, 2018.

GUIMARÃES, M. Educação ambiental: no consenso um debate? Campinas, Papirus, 2000.

HORNBURG, N. SILVA, R. da Teorias sobre currículo: uma análise para compreensão e mudança. Vol. 3. p. 61-66. 2007.

LOGAREZZI, A. J. M. Fundamentos de uma Educação Ambiental dialógico-crítica. In: MONTEIRO, Rafael de Araújo Arosa; SORRENTINO, Marcos; JACOBI, Pedro (Orgs).

Diálogo, Educação e Ambiente: teorias, métodos, pesquisas e experiências. São Paulo: Edusp, 2020.

MACEDO, E.F Currículo: política, cultura e poder. Revista Currículo sem fronteiras, v. 6, n. 2, p. 98-113, 2006.

MACEDO, E. F. de Currículo: políticas e práticas 9 ed. Campinas, Papirus, 2006. MALTA, S. C. L. Uma abordagem sobre currículo e teorias afins visando a compreensão e mudança. Espaço do Currículo, v.6, n.2, p.340-354, 2013.

MARQUES, R; GONZALEZ, C. E. F.. Pegada ecológica do lixo: um projeto de responsabilidade socioambiental e educação ambiental sobre os resíduos sólidos urbanos numa comunidade escolar. Revista Cocar, v. 15, n. 33, 2021. http://177.70.35.171/index.php/cocar/article/view/4844 Acesso em: 2022-03-15 MEIRA,P.;SATO, M. Só os peixes mortos não conseguem nadar contra a correnteza. Revista de Educação Pública, v. 14, n. 25, p.17-31, 2005 Disponivel em: http://oguata.cead.udesc.br/wp-content/uploads/2016/09/Meira-e-Sato.pdf Aceso em: 13/11/2019

MENEZES, M.G; SANTIAGO, M.E. Contribuição do pensamento de Paulo Freire para o paradigma curricular crítico-emancipatório. Pro-Posições, v. 25, n. 3, p. 45-62, 2014. MOREIRA, A.F.B. A crise da teoria curricular crítica. In: COSTA, M. V. (Org.) O currículo nos limiares do contemporâneo. Rio de Janeiro: DP&A, 1998.

OLIVEIRA, L. de, & NEIMAN, Z. Educação Ambiental no Âmbito Escolar: Análise do Processo de Elaboração e Aprovação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 15(3), 36–52. 2020. https://doi.org/10.34024/revbea.2020.v15.10474

PACHECO, J. A. Teoria (Pós) Crítica: passado, presente e futuro a partir de uma análise dos estudos curriculares São Paulo: Revista e-curriculum - Programa de Pós Graduação em Educação: Currículo. PUC/SP — V11 — N1—P. 06 - 22 — 2013. Disponivel:http://revistas.pucsp.br/index.php/curriculum/article/viewFile/13870/11311 Acesso em: 20/11/2019

PEDRINI, A.G.;BRITO, M.I.M.S.Educação Ambiental para o Desenvolvimento ou

Sociedade Sustentável? Uma breve reflexão para a América Latina. Revista Educação

Ambiental em Ação, v.17, 2006. Disponível em: http://www.revistaea.org/artigo.php?idartigo=413 Acesso em: 24/11/2019

PERUZZI, I. R. N. A avaliação do ciclo de vida como ferramenta para a educação ambiental: o uso da redução do desperdício e do aumento da produtividade como indicadores. 2009. Dissertação (Mestrado em Tecnologia Nuclear - Materiais) - Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares, University of São Paulo, São Paulo, 2009. doi:10.11606/D.85.2009.tde-26092011-151119. Acesso em: 2022-03-15.

SANTOS, V. H. R. Pandemia de Coronavírus: reflexos na sociedade. Cogitare, v. 3, n. 1, p. 107-110, 2020. Acesso em: 2022-03-15.

https://ojs.ifsp.edu.br/index.php/cogitare/article/view/1491

SILVA, T. T. da. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.SOUZA, R. A. de; MARTINELI T. A. P. Considerações históricas sobre a influência de John Dewey no pensamento pedagógico brasileiro.

Revista HISTEDBR, v. 9, n. 35, p. 160-162, 2009.

TABA, H. Curriculum development: Theory and practice. New York: Harcourt, Brace & World, 1962.

TADEU, T. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. Autêntica, 2016.

TRISTÃO, M. Tecendo os fios da educação ambiental: o subjetivo e o coletivo, o pensado e o vivido . Educação e Pesquisa, [S. l.], v. 31, n. 2, p. 251-264, 2005. DOI: 10.1590/S1517-97022005000200008. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/ep/article/view/27975. Acesso em: 15 mar. 2022.




DOI: http://dx.doi.org/10.33025/ceb.v7i2.3626

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2525-2879 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.