CRIANÇAS AUTORAS DE LITERATURA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: EXPERIÊNCIAS SIGNIFICATIVAS DE LEITURA E ESCRITA

Cristina Souza de Macedo Zappa

Resumo


Esse texto apresenta reflexões a respeito de um projeto realizado considerando o interesse, as curiosidades e as experiências de uma turma de Educação Infantil, com crianças de 5/6 anos de idade, no Centro de Referência em Educação Infantil Realengo (CREIR) do Colégio Pedro II, no Rio de Janeiro. O projeto desenvolvido desencadeou a construção de um livro literário escrito e ilustrado pelas próprias crianças dessa turma e intitulado: Como Viramos Detetives. Por conta de todo o percurso e história desse projeto, a turma passou a ser reconhecida como Turma Detetives e resolveu contar essa experiência em forma de um livro fazendo seu lançamento em uma Manhã de Autógrafos.  Nessa práxis, afirmamos nosso compromisso, respeito e garantia com o que Candido (2004) chama de direito à Literatura e nesse escrito demonstramos que além do direto, a criança também pode produzir Literatura e se relacionar com a língua escrita de maneira contextualizada e significativa em oposição a sistematização desse ensino através de práticas mecânicas e descontextualizadas. Em simultâneo, consideramos o direito ao convívio com a natureza e na primeira página do livro, as crianças demonstram esse amor inato pela vida ao ar livre, de contato e respeito com nosso meio ambiente e com o desenrolar do projeto percebemos também a ampliação do sentimento de pertencimento das crianças pelo espaço escolar.


Palavras-chave


Educação Infantil; Literatura; Autoria; Crianças.

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAMOVICH, Fanny. Por uma arte de contar histórias. In: ABRAMOVICH, Fanny. Literatura infantil: gostosuras e bobices. São Paulo: Scipione, 1997. Disponível em: https://idoc.pub/download/por-uma-arte-de-contar-historias-de-fanny-abramovich-9n0k01568k4v. Acesso em: 18 dez. 2020.

CANDIDO, Antonio. O direito à literatura. In: CANDIDO, Antonio. Vários Escritos. 5 ed. Rio de Janeiro: Ouro Sobre Azul. São Paulo: Duas Cidades, 2013. p. 169-191.

COLÉGIO PEDRO II. Projeto Político Pedagógico. Centro de Referência em Educação Infantil Realengo, 2017. Disponível em: http://eduinfantilcp2.blogspot.com/p/ppp-2017.html. Acesso em: 02 jun. 2020.

BRASIL. Resolução nº 5, de 17 de dezembro de 2009: fixa as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação infantil (2009) Disponível em: http://www.seduc.ro.gov.br>legislacao>RESCNE005_2009. Acesso em: 19 mai. 2020.

CHAVES, I. M.A.B.; COZZI, T. R. Acolhendo o diálogo entre Letramento e Literatura Infantil. Revista ACOALFAplp: Acolhendo a Alfabetização nos Países de Língua Portuguesa. São Paulo, ano 2, n. 3, 2007. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/reaa/article/view/11470/13238. Acesso em: 28 dez. 2018.

COLOMER, Teresa. Introdução à literatura infantil e juvenil atual. 1 ed. São Paulo: Global, 2017.

CORSINO, Patrícia (Org.). Educação infantil: cotidiano e políticas. Campinas, SP: Autores Associados, 2009.

CORSINO, P. Leitura Literária na escola e produção de sentido. Didática e a prática do ensino na relação com a escola - Livro 1. Fortaleza, CE. Ed. UECE. 2015. Disponível em: http://www.uece.br/endipe2014/ebooks/livro1/310-%20LEITURA%20LITER%C3%81RIA%20NA%20ESCOLA%20E%20PRODU%C3%87%C3%83O%20DE%20SENTIDO.pdf. Acesso em: 18 dez. 2020.

DERDYK, Edith. Formas de pensar o desenho: desenvolvimento do grafismo infantil. 5 ed. Porto Alegre, RS: Zouk, 2015.

FREIRE, Madalena. A paixão de conhecer o mundo: relato de uma professora. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2007.

FREIRE, Paulo. A importância do Ato de Ler: em três artigos que se completam. São Paulo: Autores Associados. Cortez, 1989.

FORMAN, George. O uso das mídias digitais em Reggio Emilia. In: EDWARDS, Carolyn; GANDINI, Lella; FORMAN, George. (Orgs). As cem linguagens da criança: a experiência de Reggio Emilia em transformação. Porto Alegre: Penso, 2016. v. 2. p. 337-348

HERNÁNDEZ, Fernando. Transgressão e mudança na educação: os projetos de trabalho. Porto Alegre: ArtMed, 1998.

JUNQUEIRA FILHO, Gabriel de Andrade. Linguagens geradoras: seleção e articulação de conteúdos em educação infantil. Porto Alegre: Mediação, 2005.

NUNES, Maria Fernanda Rezende; CORSINO, Patrícia. Leitura e escrita na educação infantil: contextos e práticas em diálogo. Cad. Pesqui. São Paulo, p. 100-126, out/dez 2019. Disponível em: http://publicacoes.fcc.org.br/ojs/index.php/cp/article/view/6109/pdf

Acesso em: 18 ago. 2020

OSTETTO; Luciana Esmeralda; LEITE Maria Isabel. Arte, infância e formação de professores: autoria e transgressão. São Paulo: Papirus, 2004.

OSTETTO; Luciana Esmeralda (Org.). Saberes e fazeres da formação de professores. 5 ed. Campinas, SP: Papirus, 2012.

PACHAMAMA, Aline Rochedo. Taynôh: O menino que tinha cem anos. Rio de Janeiro: Pachamama editora, 2019.

SOARES, M. Letramento: um tema em três gêneros. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

TIRIBA, Léa. FLORES, Maria Luiza Rodrigues. A educação infantil no contexto da Base Nacional Comum Curricular: em defesa das crianças como seres da natureza, herdeiras das tradições culturais brasileiras. Debates em Educação. Maceió, v. 8, n 16, 157-183, jul-dez 2016. Disponível em: http://www.seer.ufal.br/index.php/debateseducacao/article/view/2422/2140. Acesso em: 29 mai. 2017.

TIRIBA, Léa. Educação infantil como direito e alegria. Laplage em Revista, Sorocaba, v. 3, n. 1, p. 72-86, jan-abr. 2017. Disponível em: http://www.laplageemrevista.ufscar.br/index.php/lpg/article/view/248/468. Acesso em: 29 mai. 2017. DOI 10.24115/S2446-6220201731248

VIGOTSKI, Lev Semenovich. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. 6 ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998.




DOI: http://dx.doi.org/10.33025/ceb.v7i1.3133

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2525-2879 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.