GÊNERO E A NATURALIZAÇÃO DAS DIFERENÇAS NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

Marcos Vinicius Pereira Monteiro

Resumo


Este artigo discute a naturalização das diferenças de gênero e sua relação com as aulas de Educação Física, a partir de significados construídos por estudantes. Esta naturalização acaba influenciando o ensino/aprendizagem de conteúdos curriculares, como é o caso do futebol. Para buscar um melhor entendimento sobre o tema, são analisadas as questões de gênero e como ocorre a construção cultural do masculino e do feminino. O estudo foi realizado em uma escola estadual em Nova Iguaçu-RJ e os dados foram obtidos através da realização de entrevistas com dez alunos/as do terceiro ano do ensino médio. Após a utilização da técnica de análise de conteúdo, os resultados demonstram que ao final do ensino médio na escola estudada, a Educação Física atua reforçando estereótipos, com os/as alunos/as representando o masculino como superior e as mulheres como frágeis. Outra descoberta foi que a habilidade motora é importante critério de inclusão/exclusão independente do sexo.

Palavras-chave


Gênero; Educação Física; Escola; Estereótipo; Futebol; Futsal

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, N. G. Meninos pra cá, meninas pra lá? In: VOTRE, S. (org). Ensino e avaliação em educação física. 1ed. São Paulo: Ibrasa, 1993.

ARRUDA, E. FPF institui jogadora-objeto no Paulista. Folha de São Paulo, São Paulo, 16 de set. de 2001. Disponível em:

http://acervo.folha.com.br/fsp/2001/09/16/20>. Acesso em 26 de fev. de 2016.

BADINTER, E. XY sobre a identidade masculina. 2ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1993.

BOGDAN, R.; BLIKEN, S. Investigação qualitativa em educação – uma

introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto, 1994.

BRASIL. Decreto 3.199 de 14 de abril de 1941, estabelece as bases de organização dos desportos em todo país, Diário Oficial da União, Brasília, 16 abr. 1941, seção 1, p. 7.453.

______. Deliberação 10/79 do CND. Baixa instruções às entidades desportivas do país, para prática de desportos para as mulheres, Diário Oficial da União, Brasília, 31 dez. 1979, seção 1, p. 20.220.

______. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais 1º e 2º ciclos do ensino fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997.

______. Secretaria de Educação Básica. Orientações curriculares para o ensino médio: linguagens códigos e suas tecnologias. Brasília: MEC/SEB, 2006.

CASTELLANI FILHO, L. Educação física no Brasil: a história que não se conta. 11ed. Campinas: Papirus, 2005.

CAVALEIRO, M. C.; VIANNA, C. Chutar é preciso? Masculinidades e educação física escolar. In KNIJNIK, J. D.; ZUZZI, R. P. (org) Meninas e meninos na educação física: gênero e corporeidade no século XXI. 1ed, Jundiaí: Fontoura, 2010.

CONNELL, R. W. Políticas da masculinidade, Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 20, n. 2, p. 185-206, jul/dez. 1995.

DEVIDE, F.; OSBORNE, R.; SILVA, E. R.; FERREIRA, R. C.; CLAIR, E. S.; NERY,L. C. P. Estudos de gênero na educação física brasileira. Motriz, Rio Claro, v.17, n.1, p. 93-103, jan/mar. 2011.

DORNELLES, P. G.; FRAGA A. B.; Aula mista versus aula separada? Uma questão de gênero recorrente na educação física escolar, Revista brasileira de docência, ensino e pesquisa em educação física, Cristalina, v. 1, n. 1, p. 141-156, ago. 2009.

FLEURI, R. M. Políticas da diferença: para além dos estereótipos na prática educacional. Educação e sociedade, Campinas, v 27, n. 95, p. 495-520, mai/ago. 2006.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. 39ed. Petrópolis: Vozes, 2011.

GONÇALVES JUNIOR, L.; RAMOS, G. N. S. A educação física escolar e a

questão do gênero no Brasil e em Portugal. 1ed. São Carlos: EdUFSCar, 2005.

LOURO, G. L. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pósestruturalista. 12ed. Petrópolis: Vozes, 2011.

MINAYO, M.; GOMES, S. Pesquisa social – teoria, método e criatividade. 30ed. Petrópolis: Vozes, 2011.

OLIVEIRA, G. K. Aulas de educação física para turmas mistas ou separadas por sexo? Uma análise comparativa de aspectos motores e sociais. 1996. 148 f. Dissertação (Mestrado em Educação física) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1996.

RODRIGUES, C. Butler e a desconstrução de gênero. Revista de Estudos

Feministas vol. 13 no 1. Florianópolis. Jan/abr. 2005.

ROMERO, E. Estereótipos masculinos e femininos em professores de

educação física. 1990. 325 f. Tese (Doutorado em psicologia) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 1990.

SCOTT, J. W. Gênero: uma categoria útil de análise histórica, Educação & realidade, Porto Alegre, v. 20, n. 2, p. 71-99, jul/dez. 1995.

TORRÃO FILHO, A. Uma questão de gênero: onde o masculino e o feminino se cruzam, Cadernos pagu, Campinas, n. 24, p.127-152, jan-jun. 2005.

VÍCTORA, C. G.; KNAUTH, D. R.; HASSEN, M. de N. A. Metodologias qualitativa e quantitativa. In: ____ Pesquisa qualitativa em saúde: uma introdução ao tema. 1ed. Porto Alegre: Tomo, 2000.




DOI: http://dx.doi.org/10.33025/tefe.v1i1.637

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2525-5916

Licença Creative Commons

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.