AS CORPOREIDADES E AS PRÁTICAS CORPORAIS: TECNOLOGIAS HISTORICAMENTE CONSTRUIDAS

Rosa Malena de Araújo Carvalho

Resumo


Esse texto apresenta-se por uma escrita como experiência, compartilhando indagações relacionadas à naturalização das formas pelas quais o corpo e as práticas corporais são hegemonicamente encaminhados no contexto socioeducacional. Em momento histórico marcado pela pandemia causada pela Covid-19, objetivamos contribuir com processos escolares e construções sociais em que a educação física escolar esteja comprometida com a defesa e a proteção da vida – de todos, todas, de qualquer um/a. Nesse percurso, identificando que as condições sociais marcam a diferença entre a vulnerabilidade e a precariedade do viver, as ações acadêmicas desenvolvidas são constituídas pela corporeidade como categoria central de estudos, através de uma metodologia das narrativas com/pelos cotidianos escolares. Os resultados vêm contribuindo para identificar a cultura corporal como bem comum, tecnologia historicamente construída sobre e com os corpos.

Palavras-chave


Educação Física Escolar; Corporeidade; Cultura Corporal.

Texto completo:

PDF

Referências


BANDEIRA, Alexandre. O conceito de tecnologia sob o olhar do filósofo Álvaro Vieira Pinto. Geografia Ensino & Pesquisa, v. 15, n.1, jan./abr. 2011, p. 111-114.

BUTLER, Judith. Corpos em aliança e a política das ruas: notas para uma teoria performativa de assembleia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018

CARVALHO, Rosa Malena. A cultura corporal como concepção que organiza a educação física e caracteriza o escolar. Rio de Janeiro: Teias, v. 18 • n. 49 • 2017(abr/jun), p. 254-268.

CASTRO, Edgar. Vocabulário de Foucault – um precurso pelos seus temas, conceitos e autores. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

CERTEAU, Michel. A Invenção do Cotidiano. 22ª ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

COLETIVO DE AUTORES. Metodologia do Ensino da Educação Física. 2ª ed. 3ª reimpressão. São Paulo: Cortez, 2014.

DAOLIO, Jocimar. Da Cultura do Corpo. 17ª ed. Campinas: Papirus, 2013.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 17ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 1989.

LARROSA, Jorge. Tremores: escritos sobre experiência. Belo Horizonte: Autêntica, 2014.

LARROSA, Jorge. Experiência e alteridade em educação. Reflexão e Ação. Santa Cruz do Sul, v.19, n. 2, p.4-27, jul./dez. 2011

MASSCHELEIN, Jan; SIMONS, Maarten. Em defesa da escola – uma questão pública. 2ª ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2014.

MINAYO, Maria Cecília (Org). Pesquisa social – teoria, método, criatividade. Petrópolis, RJ: Vozes, 2001.

NAJMANOVICH, Denise. O Sujeito Encarnado – questões para pesquisa no/do cotidiano. Rio de Janeiro: DP&A, 2001

PINTO, Àlvaro Vieira. O Conceito de Tecnologia. Rio de Janeiro: Contraponto, 2005, v. II e II.

PONTES, Cassandra; REIS, Graça; FREIRE, Sulamita (Orgs). O Colégio de Aplicação da UFRJ diante do inédito – perspectivas femininas da escola em suspensão. Rio de Janeiro: Ayvu, 2021.

TAVARES, Maria Tereza Goudard; CARVALHO, Rosa Malena de Araújo Carvalho (Orgs). Lições da Pandemia: movimentos sociais e lutas por direitos no Brasil. E-book. Rio de Janeiro: NAU, 2021.




DOI: http://dx.doi.org/10.33025/tefe.v6i3.3506

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2525-5916

Licença Creative Commons

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.