CORPOS E JUVENTUDES: redes tecidas por diálogos e afetos

Thayane de Araujo Rodrigues, Bruna Vilhena Monteiro Silva, Ingrid Lourenço de Amorim Corrêa, Nayara Ribeiro da Silva Melo, Adriana Martins Correia, Martha Copolillo

Resumo


Este relato tem como objetivo apresentar a experiência do Projeto de ensino “O que pode um corpo?” que acontece na Universidade Federal Fluminense desde 2018. O relato tem como foco o trabalho desenvolvido com alguns jovens do ensino médio do Colégio Universitário Geraldo Achilles Reis (COLUNI). São encontros em forma de Oficinas planejadas e realizadas a partir de discussões que envolvem as juventudes e que transbordam para as aulas de Educação Física, como por exemplo, as problematizações acerca dos modelos e padrões corporais. A proposta é discutir a ausência de oportunidades para corpos periféricos que estão ocupando a educação pública, e as potencialidades desses corpos marginalizados pela sociedade. O projeto busca ampliar as visões acerca das potencialidades de corpos diversos, e o mesmo tem continuidade no ano de 2020.


Palavras-chave


Juventudes; Educação Pública; Educação Física; Corpos marginalizados; Culturas

Texto completo:

PDF

Referências


ADICHIE, Chimamanda Ngozi. Sejamos todos feministas. Tradução de Christina Baum. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

ALVES, Nilda. Decifrando o Pergaminho: o cotidiano das escolas nas lógicas das redes cotidianas. In: OLIVEIRA, Inês Barbosa; ALVES, Nilda (orgs). Pesquisa nos/dos/com os cotidianos das escolas: sobre redes e saberes, Petrópolis, DP&A, p. 13 – 38, 2008.

BERNARDINO-COSTA, Joaze; GROSFOGUEL, Ramón. Decolonialidade e perspectiva negra. Revista Sociedade e Estado, Brasília v. 31, n. 1, p. 15-24, 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-69922016000100015&script=sci_arttext. Acesso em: 28 de set. 2020.

CARRANO, Paulo. Jovens, escolas e cidades: desafios à autonomia e à convivência. Revista Teias, v. 12, n. 26, p. 16, 2011. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/revistateias/article/view/24209/17188. Acesso em: 27 de set. 2020.

SOARES, et al. Metodologia do Ensino da Educação Física. São Paulo: Cortez, 1992.

DAOLIO, Jocimar. A antropologia social e a educação física: possibilidades de encontro. In: CARVALHO, Yara Maria de; RUBIO, Katia. (orgs.) Educação física e ciências humanas. São Paulo: Hucitec, p. 27-38, 2001.

DELEUZE, G. A lógica dos sentidos. Tradução Luiz Roberto Salinas Forte. São Paulo: Perspectiva, 2004.

DELEUZE, Gilles; PARNET, Claire. Diálogos. Tradução de José Gabriel Cunha. Lisboa: Relógio d'Água Editores, 2004.

FAVARETTO, Celso. Arte contemporânea e educação. Revista Iberoamericana de Educación, v. 53, n. 1, p. 225-235, 2010. Disponível em: https://core.ac.uk/download/pdf/41563847.pdf. Acesso em: 26 de set. 2020.

GOMES, Nilma Lino. O Movimento Negro educador: saberes construídos nas lutas por emancipação. Editora Vozes Limitada, p.153, 2017.

MARQUES, Isabel A. Ensino de Dança Hoje: textos e contextos. 2 ed. – São Paulo: Cortez, 2011.

MBEMBE, Achille. Necropolítica: Biopoder, soberania, estado de exceção, política de morte. São Paulo: Arte & Ensaios, 2018.

NAJIMANOVICH, Denise. O sujeito encarnado: questões para pesquisa no/do cotidiano. Rio de Janeiro: DP&A, 2001.

NEIRA, Marcos Garcia. O currículo cultural da educação física: pressupostos, princípios e orientações didáticas. Revista e-Curriculum, São Paulo, v. 16, n. 1, p. 4-28, 2018. Disponível em: https://ken.pucsp.br/curriculum/article/viewFile/27374/25065. Acesso em: 25 de set. 2020.

TRINDADE, Azoilda Loretto da. Do corpo da carência ao corpo da potência: desafios da docência. In: GARCIA, Regina Leite (org). O corpo que fala dentro e fora da Escola. Rio de Janeiro: DP&A, p 65-88, 2002.

VIANNA, Hermano. O mundo funk carioca. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora, 1988.




DOI: http://dx.doi.org/10.33025/tefe.v5i2.3045

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2525-5916

Licença Creative Commons

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.