O KARATÊ COMO CONTEÚDO DAS LUTAS NOS ANOS FINAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

Dionny Felipe, Gallardo Meira Cosme, Lorena Da Silva Guerra, Fernanda De Andrade Souza, Romário Guimarães Franca, José Roberto Gonçalves De Abreu

Resumo


A presente pesquisa teve como objetivo propor uma sequência didático-pedagógica para o ensino do karatê nos anos finais do ensino fundamental, propondo reflexões sobre a inclusão dessa modalidade na Educação Física escolar. Utilizaram-se como pano de fundo dessa discussão as Orientações dos documentos norteadores como o programa de ensino do municio de São Mateus – ES,  Parâmetros Curriculares Nacionais e a Base Nacional Curricular Comum. Como metodologia foi utilizada a pesquisa de campo, sendo planejadas 11 aulas seguindo uma progressão pedagógica por meio de atividades lúdicas. Conclui-se que o karatê pode ser um relevante tema para a Educação Física escolar, tendo em vista as diversas possibilidades para a contribuição com a formação integral do aluno, enquanto sujeito participativo e crítico na sociedade.


Palavras-chave


Educação Física; Lutas Corporais; Karatê

Texto completo:

PDF

Referências


ARANHA, Fábio Porto. Karatê e o desenvolvimento de crianças de 7 a 12 anos de idade. Campinas, 2006. 72f. Trabalho de Conclusão de Curso – Curso de Educação Física, Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Campinas, 2006.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: Educação Física / Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC /SEF, 1998.

Brasil. Secretaria de Educação Fundamental. Base Nacional Comum Curricular: Educação física / Secretaria de Educação Fundamental. – Brasília: MEC/SEF, 2018.

BREDA, Mauro et. al. Pedagogia do esporte aplicada às lutas. São Paulo: Phorte, 2010.

CORREIA, Walter Roberto; FRANCHINI, Emerson. Produção acadêmica em lutas, artes marciais e esportes de combate. Rev. Motriz, Rio Claro, v.16 n.1 p.01-09, jan./mar. 2010.

DARIDO, Suraya Cristina; RANGEL, Irene Conceição Andrade. Educação Física na escola: implicações para a prática pedagógica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2005.

ELÓI, Jaeldson Robert Pires. As possibilidades metodológicas da aplicação do conteúdo lutas realizadas pelo PIBID: Relato de experiência. 2016. 44f. Trabalho de Conclusão de Curso - Departamento de Educação Física. Centro de Ciências da Saúde. Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal, 2016.

FLICK, Uwe. Introdução à pesquisa qualitativa. 3ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.

FROSI, Tiago Oviedo; MAZO, Janice Zarpellon. Repensando a história do karate contada no Brasil. Rev. bras. Educ. Fís. Esporte, São Paulo, v.25, n.2, p.297-312, abr./jun. 2011.

GOMES, Nathalia Chaves et al. O conteúdo das lutas nas séries iniciais do ensino fundamental: possibilidades para a prática pedagógica da Educação Física escolar. Motrivivência, n. 41, p. 305-320, 2013.

GONÇALVES, Arisson Vinícius Landgraf; SANTOS, Méri Rosane da Silva. Artes marciais e lutas: uma análise da produção de saberes no campo discursivo da educação física brasileira. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, v. 35, n. 3, 2013.

JÚNIOR, Paulo Cesar Arcênio; RUSCHEL, Caroline; CORREIA, Clara Knierim. Análise da produção científica sobre o Karatê em língua portuguesa. Caderno de Educação Física e Esporte, v. 16, n. 1, p. 1-14.

Karatê na olimpíada de Tóquio-2020. Disponível em:

actualesporte.blogspot.com/2016/08/karate-na-olimpiada-de-toquio-2020.html>. Acesso em: 11/09/2018.

KUNZ, Elenor. Transformação didático-pedagógica do esporte. Ijuí: Unijuí, 2014.

LAGE, Victor; GONÇALVES JUNIOR, L.; NAGAMINE, Kazuo Kawano. O Karatê-Do enquanto conteúdo da educação física escolar. COLÓQUIO DE PESQUISA QUALITATIVA EM MOTRICIDADE HUMANA, v. 3, p. 116-133, 2007.

MATOS, Juliana Martins Cassani et al. A produção acadêmica sobre conteúdos de ensino na educação física escolar. Movimento, v. 19, n. 2, p. 123-148, 2013.

NASCIMENTO, Paulo Rogério Barbosa do; ALMEIDA, Luciano de. A tematização das lutas na Educação Física Escolar: restrições e possibilidades. Movimento, Porto Alegre, v. 13, n. 3, p. 91-110, set./dez. 2007.

PEREIRA, Marcos Paulo Vaz de Campos et al. Lutas na escola: sistematização do conteúdo por meio a teia do conhecimento das lutas em rede. Conexões: Educ. Fís., Esporte e Saúde, Campinas: SP, v. 15, n. 3, p. 338-348, jul./set. 2017.

RUFINO, Luiz Gustavo Bonatto. A Pedagogia das Lutas: caminhos e possibilidades. Jundiaí: Paco Editorial, 2012.

RUFINO, Luiz Gustavo Bonatto; DARIDO, Suraya Cristina. Pedagogia do esporte e das lutas: em busca de aproximações. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, v. 26, n. 2, p. 283-300, 2012.

RUFINO, Luiz Gustavo Bonatto; DARIDO, Suraya Cristina. POSSÍVEIS DIÁLOGOS ENTRE A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E O CONTEÚDO DAS LUTAS NA PERSPECTIVA DA CULTURA CORPORAL. Conexões: revista da

Faculdade de Educação Física da UNICAMP, Campinas, v. 11, n. 1, p. 145-170, jan./mar. 2013.

RUFINO, Luiz Gustavo Bonatto; DARIDO, Suraya Cristina. O ensino das lutas na escola: possibilidades para a educação física. Porto Alegre: Penso, 2015.

RUFINO, Luiz Gustavo Bonatto; DARIDO, Suraya Cristina. O ENSINO DAS LUTAS NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: ANÁLISE DA PRÁTICA PEDAGÓGICA À LUZ DE ESPECIALISTAS. Rev. Educ. Fís/UEM, v. 26, n. 4, p. 505-518, 4. trim. 2015.

SILVA, Maria da Conceição Coelho da. VIVENCIANDO O KARATÊ NA EDUCAÇÃO FÍSICA: UM ESTUDO DE CASO COM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL II DE UMA ESCOLA PÚBLICA. 2008. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura Plena em Educação Física) – Centro de Ciências da Saúde, Universidade Estadual Vale do Acaraú, Caucaia, 2008.

SOUSA, Antônio José Damião Veras. As lutas como proposta pedagógica na educação física escolar. 2012. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização em Educação Física Escolar) – Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, Universidade Estadual da Paraíba, Campina Grande, 2012.




DOI: http://dx.doi.org/10.33025/tefe.v6i1.2857

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2525-5916

Licença Creative Commons

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.