CRIANÇA E NATUREZA: PROPOSTAS REMOTAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

Ana Carolina Cunha Lemos, Andressa Menezes Almeida

Resumo


O presente relato aborda duas propostas remotas realizadas no contexto de trabalho remoto na Educação Infantil. As propostas buscaram articular natureza e linguagem artística, na perspectiva de incentivar a construção de memórias afetivas em tempos de pandemia (MAIA, 2020). Este período histórico, nos faz-nos pensar a relação homem-natureza, como unidade interdependente (FREIRE, 1996) e defender uma educação de crianças pequenas que considere suas condições biofílicas (TIRIBA, 2015). Desse modo, crianças pequenas realizaram suas produções a partir dessas orientações.

Palavras-chave


educação infantil; natureza; pandemia

Texto completo:

PDF HTML

Referências


BARROS, Manoel de. Meu Quintal é Maior do que O Mundo. Antologia. Rio de Janeiro: Objetiva, 2015.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil /Secretaria de Educação Básica. – Brasília : MEC, SEB, 2010.

DAVIS, Mike et al. Coronavírus e A Luta de Classes. Terra sem amos: Brasil, 2020. Disponível em: . Acessado em 20 de junho de 2020.

DICKMANN, Ivo; CARNEIRO, Sônia Maria Marchiorato. Paulo Freire e Educação Ambiental: Contribuições A Partir da Obra Pedagogia da Autonomia. Revista Educação Pública, v. 21, n. 45, pp. 87-102, jan./ abr. 2012.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Esperança: Um Reencontro com A Pedagogia do Oprimido. Editora Paz e Terra, 2014.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: Saberes Necessários À Prática Educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2004.

MAIA, Marta. A Construção de Memórias Afetivas em Tempos de Pandemia. Revista Práticas em Educação Infantil - vol. 5; nº6, pp.157-159. Disponível em: . Acesso em 26 de junho de 2021.

NITERÓI. Referencial Curricular 2010. Rede Municipal de Ensino de Niterói: Uma Construção Coletiva. Educação Infantil. Niterói: FME, 2010.

TIRIBA, Léa. Educação Infantil como Direito e Alegria. Laplage em Revista. 3(1), 72–86. Disponível em:< https://doi.org/10.24115/s2446-6220201731248p.72-86> . Acesso em 27 de junho de 2021.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.