“DO DIREITO E DO DEVER DE MUDAR O MUNDO”: A urgência de uma educação antirracista desde a primeira infância

Renata Ruth Bastos Oliveira, Danielle Christina do Nascimento Oliveira

Resumo


Este trabalho é a junção do  pensamento de duas professoras, que encontraram na codocência experiências e sentimentos em comum a respeito de uma educação para as relações étnico-raciais, ainda na primeira infância. Movidas por um episódio cotidiano protagonizado por duas crianças da Educação Infantil, surgiram alguns questionamentos, tais como: qual a importância da representatividade docente? Como professoras negras podem assumir o compromisso (que é de todas e todos) para uma educação que seja libertadora, a favor da diversidade e diferença e busque um esperançar, a fim de não desistir de mudar aquilo que está posto e não contribui para uma sociedade melhor, mais justa e igualitária? Apoiado também em documentos legais que norteiam a prática pedagógica brasileira, o trabalho reflete os direitos das crianças e dialoga com o que elas nos trazem, para entender como uma educação antirracista desde a primeira infância não é só um dever nosso, mas um direito de cada uma delas. Encontramos na “metodologia do encontro” (PASSOS, 2014),  no refazer do futuro (FREIRE, 2013), na importância de não desgrudar teoria e prática (hooks, 2013) um caminho para que este trabalho trouxesse muito mais do que um relato de experiência, mais fortalecesse e desse visibilidade à produção e socialização de conhecimentos e a práxis de duas mulheres negras.

Palavras-chave


Educação antirracista; Primeira infância; Esperançar

Texto completo:

PDF HTML

Referências


BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. Brasília: MEC, 2004. Disponível em:< https://arquivopublicors.files.wordpress.com/2013/04/2013-04-10- diretrizescurriculares-nac-educ-relac3a7c3b5esetnico-raciais.pdf >. Acessado: 25 mai. 2021.

BRASIL. MEC/CNE/CEB. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Resolução nº 5 de 17 de Dezembro de 2009. Disponível em: . Acesso em: 22 mai. 2021.

BRASIL. Parecer CNE/CP 3/2004. Brasília, 10 de março de 2004.

FREIRE, Paulo. Segunda carta: do direito e do dever de mudar o mundo. In: Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: Editora UNESP, 2000, p. 26-30. ISBN 85-7139-291-2.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da esperança. São Paulo: Paz e Terra, 2014.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 44a ed. - Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2013. ISBN 978-85-7753-163-9.

hooks, bell. Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2013. ISBN 978-85-7827-703-1.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução Tomaz Tadeu da Silva, Guaracira Lopes Louro- 11. Ed. Rio de Janeiro. DP&A. 2006.

NASCIMENTO, Maria Letícia. Algumas ideias para uma reflexão sobre infância e interseccionalidade. VI Congresso Internacional de Pedagogia Social & Simpósio de Pós-Graduação, Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2018. Disponível em: Algumas ideias para uma reflexão sobre infância e interseccionalidade1 Maria Letícia Nascimento.

PASSOS, Mailsa Carla Pinto. Encontros cotidianos e a pesquisa em Educação: relações raciais, experiência dialógica e processos de identificação. Educar em Revista, Curitiba: Editora UFPR, n. 51, jan./mar. 2014, p. 227-242.

TOLENTINO, Luana. Outra educação é possível: feminismo, antirracismo e inclusão em sala de aula. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2018. ISBN 978-85-7160-712-5.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.