A RELAÇÃO ENTRE TEORIA E PRÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: O QUE DIZEM OS GESTORES DA EDUCAÇÃO INFANTIL MUNICIPAL NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Camila Barros

Resumo


O presente texto, fruto de uma dissertação de mestrado, discute concepções que circulam nas Secretarias Municipais de Educação sobre a formação dos profissionais de educação infantil tendo como foco a qualidade da formação desses profissionais e a relação entre teoria e prática, que se revela tanto nos cursos de formação quanto no cotidiano de trabalho junto às crianças. A valorização da formação dos profissionais de educação infantil se tornou presente nos documentos oficiais provenientes do Ministério da Educação, nos discursos dos pesquisadores acadêmicos, nos fóruns de discussão e luta por melhorias na educação. Deste modo, é possível afirmar que a formação se tornou objeto da atenção do corpo social e detentora de um valor particular. Esta exaltação da importância de uma formação docente de qualidade também se estende ao discurso dos gestores educacionais nos municípios. O material empírico que provoca esta análise foi construído a partir de entrevistas com gestores responsáveis pela educação infantil em 24 municípios do estado do Rio de Janeiro. A despeito de esforços empreendidos pelos responsáveis pela gestão municipal, o discurso dos gestores expôs também fragilidades que, neste artigo, serão lidas à luz das reflexões freireanas sobre a profissão docente. Foi possível perceber críticas à qualidade da formação de professores, a falta de formação específica para o trabalho na educação infantil e a centralidade da relação entre teoria e prática como possibilidade de uma formação adequada às necessidades das redes pesquisadas.


Palavras-chave


educação infantil, formação de professores, gestão

Texto completo:

PDF HTML

Referências


BAKHTIN, M. (V.N. Volochinov). Marxismo e Filosofia da Linguagem: problemas fundamentais do Método Sociológico na Ciência da Linguagem. São Paulo: Hucitec, 1979.

BARBOSA, S. N. F.; FREITAS, E. L. de. A formação do profissional da creche: buscando definições para uma qualificação. Rio de Janeiro, 2001. 67 p. Monografia (Especialização em Educação Infantil) – Departamento de Educação, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

BRASIL. Resolução CNE/CP Nº 1, de 15 de maio de 2006. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. Brasília, 2006. Disponível em: portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rcp01_06.pdf. Acessado em 10/01/2011.

FIGUEIREDO, F.; MICARELLO, H.; BARBOSA, S. N. Autonomia de professores da educação infantil: “a coisa vira, e o professor se vira”. In: KRAMER, S. (org). Profissionais de educação infantil: gestão e formação. São Paulo: Ática, 2005. p. 156-170.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 33 ed. São Paulo: Paz e Terra, 2006. (Coleção leitura)

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.

FREIRE, P. Professora, sim; tia, não: cartas a quem ousa ensinar. 23 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012.

KRAMER, S. (org). Profissionais de educação infantil: gestão e formação. São Paulo: Ática, 2005.

MICARELLO, H.. Formação de profissionais da educação infantil: “sair da teoria e entrar na prática”? In: KRAMER, S. (org). Profissionais de educação infantil: gestão e formação. São Paulo: Ática, 2005. p. 140-155.

SCRAMINGNON, G. B. Da S. “Eu lamento mas é isto que nós temos”: o lugar da creche e de seus profissionais no município do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: UNIRIO, Departamento de Educação, 2011. (dissertação de mestrado)


Apontamentos

  • Não há apontamentos.