FORMAÇÃO CONTINUADA EM TEMPOS DE PANDEMIA: REFLEXÕES SOBRE O CURRÍCULO DA EDUCAÇÃO INFANTIL

Amanda Lobosco Pinto, Danielli Cristina Machado Lidugério, Kathlyn Bernardo Duarte Almeida

Resumo


De um dia para o outro tudo parou. No dia 13 de março de 2020, a necessidade de isolamento social foi informada a partir do decreto n° 46970/2020 do governo do Estado do Rio de Janeiro. Saímos na sexta-feira do trabalho para nosso merecido descanso de fim de semana e fomos surpreendidos e informados de que havia uma pandemia e da necessidade de afastamento social. Logo, precisaríamos fechar a nossa instituição. No primeiro mês ficamos bastante assustados com tamanha gravidade da COVID-19. Realmente estávamos tentando compreender tudo que estava ocorrendo e tentando nos adaptar à nova rotina. Neste contexto, a Unidade Municipal de Educação Infantil Julieta Botelho (UMEI) buscou reaproximação entre seus profissionais, pelos aplicativos de comunicação com o intuito de nos confortar. Em seguida, a direção da UMEI lançou a reflexão de pensarmos, juntos, possibilidades de reaproximação com as famílias, no momento seguinte, iniciamos uma formação para os profissionais de forma remota. Assim, este artigo busca dar ênfase aos eixos apresentados e discutidos pelas autoras. Para isso, destacamos os princípios da autonomia e da afetividade, com o objetivo de ampliar a discussão sobre o tema. Diante do exposto acima, o presente estudo propõe compartilhar as discussões e reflexões que profissionais da Educação Infantil teceram no período da quarentena.


Palavras-chave


Educação Infantil; Currículo; Pandemia.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, L. R.; MAHONEY, A. A. Henri Wallon: Psicologia e Educação. 7ª ed. São Paulo, 2004.

ALVES, R. Concerto para corpo e alma. 17° ed. Campinas, São Paulo: Papirus, 2002a.

ALVES, R. Por uma educação romântica. 5. ed. Campinas, São Paulo: Papirus, 2002b.

AUTONOMIA. In: DICIO, Dicionário Online de Português. Porto: 7Graus, 2020. Disponível em:. Acesso em: 18 mai. 2020.

AUTORIA. In: DICIO, Dicionário Online de Português. Porto: 7Graus, 2020. Disponível em: . Acesso em: 18 mai. 2020.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 1988. 140 p. Disponível em: Acesso em: 12 jun. 2020.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 9.394/96, de 20 de dezembro de 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular – BNCC. Brasília, DF, 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Diretrizes Curriculares Nacionais Para a Educação Infantil. Resolução CNE/CEB 5/2009.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica / Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Currículos e Educação Integral. Brasília: MEC, SEB, DICEI, 2013. Disponível em: Acesso em: 22 jun. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes curriculares nacionais para a educação infantil / Secretaria de Educação Básica. – Brasília: MEC, SEB, 2010.

CORSINO, P.; NUNES, M. F. R. A institucionalização da infância: antigas questões e novos desafios. In: CORSINO, P. (Org). Educação infantil: cotidiano e políticas. Campinas: Autores Associados, 2009.

CUNHA, A. G. Dicionário etimológico nova fronteira da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: NovaFronteira, 1982.

FERRAÇO, C. E. Currículo, formação continuada de professores e cotidiano escolar: fragmentos de complexidade das redes vividas. Importante. FERRAÇO, Carlos Eduardo (org.). Cotidiano escolar, formação de professores(as) e currículo. São Paulo: Cortez, 2005, p. 15-41.

FREIRE, P. À sombra desta mangueira. São Paulo: Olho d’Água, 1995.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa- 45ª Edição- Rio de Janeiro. Editora Paz e Terra, 2013.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 28. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FREIRE. P. Pedagogia da esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

LIDUGÉRIO, D. C. M; PINTO, A. L. Sacola da leitura na educação infantil:

o papel do professor na articulação entre a criança e os textos literários. Seminário Municipal de Educação Infantil - Niterói: Infâncias e as múltiplas linguagens - Imaginação, Ludicidade e Artes, 2019.

MEDEIROS, M. F. A dimensão da afetividade na construção da autonomia infantil: uma análise das interações entre crianças e professoras na educação infantil, João Pessoa, 2015.

NITERÓI. Fundação Municipal de Educação. Versão Preliminar dos Referenciais Curriculares da Educação Infantil da Rede Municipal de Educação de Niterói – RCEI. Niterói: FME, 2019.

SARMENTO, M. J. As culturas da infância nas encruzilhadas da segunda modernidade. In: SARMENTO, Manuel; CERISARA, Ana Beatriz (Org.). Crianças e miúdos: perspectivas sociopedagógicas da infância e educação. Porto, Portugal: ASA Editores, 2004.

SILVA, T. T. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.