A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE CINEMATOGRÁFICA DO OPERÁRIO BRASILEIRO ATRAVÉS DO FILME “ELES NÃO USAM BLACK TIE” DE LEON HIRSZMAN (1980)

Eduardo A. Lucas Parga

Resumo


Este artigo tem por objetivo analisar a relação entre cineastas e o movimento sindical no período final do regime autoritário imposto pela ditadura civil militar em 1964 e como a construção da identidade operária no início dos anos 1980 foi realizada através de uma produção fílmica expressando o avanço gradual do processo de abertura política e a tensão política e social do período. Através do filme “Eles não usam Black Tie”, dirigido por Leon Hirszman (1980), podemos analisar a percepção do cineasta sobre a construção da identidade operária brasileira.

 


Palavras-chave


cinema e história; ditadura civil militar; representação cinematográfica do operário.

Texto completo:

PDF

Referências


Obras

BERNARDET, Jean-Claude, AVELLAR, José Carlos e MONTEIRO, Ronald F. Anos 70 – Cinema, Rio de Janeiro: Europa Emp. Gráfica e Edit. Ltda., v. 4, 1979-1980.

CARONE, Edgard. O PCB -1964/1982, São Paulo: Difel, vol. 3, 1982.

FAUSTO, Boris. História do Brasil, São Paulo: Edusp, 1995.

MARTIN, Marcel. Linguagem cinematográfica, São Paulo: Ed. Brasiliense, 2003.

Revistas e semanários

Filme Cultura nº 46, Embrafilme, abril de 1986.

Semanário Opinião nº 9 de 1 a 8 de janeiro de 1973.

VEJA nº 681, São Paulo: Abril Cultural, 23 de setembro de 1981.

Filme

DVD Eles não usam Black-Tie, Projeto Leon Hirszman 01, restaurado e remasterizado digitalmente, NTSC cor, 120 min, Vídeo Filmes.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.