AS REPRESENTAÇÕES DA ESPARTA CLÁSSICA NOS SÉCULOS XIX E XX

Luis Filipe B. de Assumpção

Resumo


Dentre as inúmeras sociedades que existiram nas imediações do Mediterrâneo Antigo, Esparta foi uma das que mais chamaram a atenção dos autores antigos. No entanto, devido as suas especificidades, a pólis espartana foi representada de variadas maneiras, que enfatizaram, de um lado, como os cidadãos valorizaram a tradição ancestral e, de outro, a ideia de uma sociedade baseada em excessos e demasiadamente belicosa. Dessa maneira, esse trabalho pretende destacar como as representações de Esparta que se tornaram comuns no pensamento de grande parte do Ocidente foram o resultado de um contexto histórico específico, cuja análise aprofundada pode fornecer indícios das motivações modernas para a disforização dos valores espartanos da Antiguidade, que se encontram presentes nos livros didáticos de história do sistema de ensino brasileiro.

 


Palavras-chave


Antiguidade; Esparta; representação; história; livros didáticos.

Texto completo:

PDF

Referências


ASSUMPÇÃO, Luis F. B. de. A Hélade no período clássico, entre o imperialismo ateniense e a hegemonia espartana – um estudo conceitual. In: III Encontro Nacional de Estudos sobre o Mediterrâneo Antigo: novas perspectivas sobre as práticas imperialistas na Antiguidade, 2011, Rio de Janeiro: NEA/UERJ, 2012.

BOURDIEU, P. A economia das trocas linguísticas. In: ORTIZ, Renato (org.). Bourdieu – sociologia. São Paulo: Ática, 1983.

_____. O senso prático. Trad.: Maria Ferreira. Petrópolis: Editora Vozes, 2009.

CAMPOS, C. Eduardo da C. Repensando a história antiga: debates e questionamentos. In: BAKOS, Margaret M. & SILVEIRA, Eliana Á. (Org.). Vida, cotidiano e morte: estudos sobre o oriente antigo e a Idade Média. Porto Alegre: Letra & Vida, 2012.

CHRISTESEN, P. Treatment of Spartan Land Tenure in Eighteenth and Nineteenth-century France: from François Fénelon to Fustel de Coulanges. In: HODKINSON, S.; MACGREGOR Morris, I. Sparta in modern thought. Swansea: The Classical Press of Wales, 2012.

DETIENNE, Marcel. Os Gregos e nós – uma antropologia comparada da Grécia antiga. São Paulo: Edições Loyola, 2008.

GREIMAS, Algirdas J.; COURTÉS, Joseph. Dicionário de semiótica. São Paulo: Cultrix, 1987.

HARTOG, F. O Século XIX e a história – o caso Fustel de Coulanges. Trad. Roberto C. de Lacerda. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2003.

HODKINSON, S. Was Classical Sparta a Military Society? In: _______, POWELL, A. Sparta and war. Swansea: The Classical Press of Wales, 2006.

_____. The Spartan Tradition in Germany, 1870-1945. In: MACGREGOR MORRIS, I.; HODKINSON, S. (Ed.). Sparta in modern thought: politics, history and culture. Swansea: The Classical Press of Wales, 2012.

MACGREGOR MORRIS, I. The paradigm of democracy: Sparta in enlightenment thought. In: FIGUEIRA, T. (Ed.). Spartan Society. Swansea: The Classical Press of Wales, 2004.

MURRAY, O. British Sparta in the age of philhellenism. In: BIRGALIAS, N.; BURASELIS, K.; CARTLEDGE, P. The contribution of ancient Sparta to political thought and practice. Athens: Alexandria Publications, 2002.

SILVA, M. Aparecida de O. Cultura material e tradição literária. In: CHEVITARESE, Andre L.; CORNELLI, G.; SILVA, M. A. de O. (Org.). A tradição clássica e o Brasil. Brasília: Fortium, 2008.

VLASSOPOULOS, K. Sparta and Rome in early modern thought: a comparative approach. In: HODKINSON, S.; MACGREGOR MORRIS, I. (Ed.). Sparta in modern thought. Swansea: The Classical Press of Wales, 2012.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.