Ensinar Francês para o 6º ano em tempos de pandemia: limites e potencialidades do ensino remoto no Colégio Pedro II

Katharina Jeanne Kelecom, Simone da Cruz Chaves, Verônica Passos Alves Quintans

Resumo


A pandemia de coronavírus, que atingiu o planeta a partir de 2019, modificou diferentes esferas das relações humanas. O distanciamento social praticado como condição de preservação à saúde impôs, consequentemente, diversos desafios aos mais variados setores da sociedade, em especial, à educação, que precisou, de um dia para o outro, tornar-se digital.  Para a grande maioria dos docentes, o ensino remoto chegou revirando os paradigmas educacionais e comunicacionais que, apesar de se situarem cronologicamente no século XXI, ainda remontam a tempos distantes, anteriores ao século XIX. Apropriar-se de forma consciente das interfaces digitais, conhecendo suas limitações e suas potencialidades, foi o direcionamento estabelecido pelo Grupo de Trabalho (GT) de Produção de Material Didático para o Ensino Remoto de francês do 6º ano do Colégio Pedro II (CPII) durante o período denominado pela Instituição como atividades não presenciais de apoio cognitivo e emocional. Dessa forma, o objetivo do presente artigo é descrever os caminhos escolhidos para a produção desse material didático, correlacionando-o às experiências vivenciadas durante a oferta dessas atividades que foram quinzenalmente publicadas na plataforma Moodle do CPII, entre os meses de setembro e dezembro de 2020. O instrumento utilizado para verificar as limitações e potencialidades do material concebido foi um questionário respondido no último dia de postagem pelos alunos que participaram das atividades não obrigatórias. Os dados provenientes desse questionário foram interpretados de maneira estatística, e os resultados dessa análise sugerem que as atividades foram bem aceitas pelo corpo discente, destacando-se pela criatividade e por sua facilidade de uso.


Palavras-chave


Francês. Ensino remoto emergencial. Pandemia.

Texto completo:

PDF

Referências


BACICH, L.; MORAN, J. Metodologias ativas para uma educação inovadora: uma abordagem teórico-prática. Porto Alegre: Penso, 2018.

BRASIL. Lei nº 12.965, de 23 de abril de 2014. Dispõe sobre a organização dos serviços de

telecomunicações, a criação e funcionamento de um órgão regulador e outros aspectos institucionais, nos termos da Emenda Constitucional nº 8, de 1995. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, ano 151, n.º 77, 24 abr. 2014. Seção I, p. 1. Disponível em:

Acesso em: 10 de junho de 2020.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: língua estrangeira/Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.

FREIRE, P. Educação e Mudança. Tradução de Lilian Lopes Martin. 38a edição. Rio de Janeiro/São Paulo: Paz e Terra. 2018.

KELECOM, K. O professor de francês língua estrangeira (FLE) e a implementação de um projeto de ensino a distância (EAD): uma construção discursiva do trabalho. Disponível em: https://bdtd.ibict.br/vufind/Record/UERJ_0bdc8a2754d59895c0e5b25435a836c6. Acesso em: 10 de junho de2020.

LÉVY, P. Cibercultura. Trad. Carlos I. da Costa. São Paulo: Ed. 34, 1999.

LUDKE, M.; ANDRÉ, M.E.D.A. Pesquisa em Educação: Abordagens Qualitativas. São Paulo: EPU, 1986

MORAN, J. A culpa não é do online – Contradições na educação evidenciadas pela crise atual. Disponível em: < http://www2.eca.usp.br/moran/?p=1506 >. Acesso em: 16 jul. 2020.

PIMENTEL, M.; CARVALHO, F. Princípios da Educação Online: para sua aula não ficar massiva nem maçante! SBC Horizontes, maio 2020. ISSN 2175-9235. Disponível em:

. Acesso em: 25 de junho de 2020.

PACHECO, J. Inovar é assumir um compromisso ético com a educação. Petrópolis: Vozes, 2019.

PRETTO, N. Educação Vigiada e Recursos Educacionais Abertos (REAs), live realizada em 26 de ago. 2020. Colégio Pedro II, campus Tijuca II.

QUINTANS, V.P.A. Ensinar a aprender francês na escola: O processo de construção de uma estória-ferramenta para o 6º ano fundamentada na autorregulação da aprendizagem. 2017. 166 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Práticas de Educação Básica) – Colégio Pedro II, Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa, Extensão e Cultura, Rio de Janeiro, 2017.

QUINTANS, V.P.A. E aí, Chloé? Uma estória para você aprender a aprender o francês na escola / Verônica Passos Alves, Kátia Regina Xavier Pereira da Silva. – Rio de Janeiro: Colégio Pedro II, 2017.

ROJO, R. Pedagogia dos multiletramentos: diversidade cultural e de linguagens na escola. In: ROJO, Roxane; MOURA, Eduardo (org). Multiletramentos na Escola. São Paulo: Parábola Editorial. 2012.

SANTOS, E. Pesquisa-formação na cibercultura. Teresina: EDUFPI, 2019.

SANTOS, E. EAD, palavra proibida. Educação online, pouca gente sabe o que é. Ensino remoto, o que temos. Notícias, Revista Docência e Cibercultura, agosto de 2020, online. ISSN: 2594-9004. Disponível em: . Acesso em: 03 de agosto de 2020.

SILVA, H. Le Jeu en classe de langue. Paris: CLE internationale. 2008.

SILVA, M. Sala de aula interativa: a educação presencial e à distância em sintonia com a era digital e com a cidadania. XXIV Congresso Brasileiro da Comunicação – Campo Grande /MS – setembro 2001. Disponível em: . Acesso em 02 de agosto de 2021.

SILVA, M. Sala de aula interativa. São Paulo: Edições Loyola, 2010.

SOARES, J.F.; TORRES, F.A.O.; ALVES, M.T.G. Escola eficaz: um estudo de três escolas da rede pública de ensino do Estado de Minas Gerais. Belo Horizonte: Segrac Editora e Gráfica Ltda. 2002.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 2595-4792