Desolação: marcas do progresso regressivo em W. G. Sebald

Everardo Cantarino

Resumo


Pela memória os seres humanos asseguram que todo conhecimento adquirido possa ser preservado. No entanto, no século XX, as lembranças do Terceiro Reich são puro tormento. Este ensaio se propõe a apresentar um breve estudo da segunda narrativa do livro Os emigrantes, de W. G. Sebald, na qual o protagonista é um professor primário alemão, Paul Bereyter, que tem um quarto de sangue judeu. A partir da notícia de sua morte, em 1984, o narrador, que fora aluno de Bereyter, busca entender os motivos que o levaram ao suicídio. Sebald cria um texto literário original e denso, em que o processo de rememoração é composto por diversos gêneros textuais que, juntos, revelam o estado de desolação a que chegou o personagem, resultado dos rumos regressivos da história.


Texto completo:

PDF

Referências


BENJAMIN, Walter. Teoria do conhecimento, teoria do progresso. In: ______. Passagens. Org. da ed. brasileira Willi Bolle. 2 reimp. Belo Horizonte: UFMG; São Paulo: Impressa Oficial do Estado de São Paulo, 2009. p. 499-530.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo dicionário da língua portuguesa. 11. imp. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1975.

LÖWI, Michael. Walter Benjamin: aviso de incêndio: uma leitura das teses “Sobre o conceito de história”. 1. ed. rev. São Paulo: Boitempo, 2010.

SEBALD, W. G. Os emigrantes: quatro narrativas longas. Tradução José Marcos Macedo. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

______. Vertigem. Tradução José Marcos Macedo. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

______. Os anéis de Saturno. Tradução José Marcos Macedo. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

______. Austerlitz. Tradução José Marcos Macedo. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

SONTAG, Susan. Diante da dor dos outros. Tradução Rubens Figueiredo. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 2595-4792