Discursos, interferências e a cidade como suporte: grafite como linguagem visual

Marcelo Araújo

Resumo


O artigo aborda os grafites de muros, assumidos como produções artísticas urbanas que ressignificam visualmente esse ambiente. Proponho, para sua interpretação, uma metodologia autoral, mas que se utiliza, como referência, das funções da linguagem estabelecidas pelo linguista Roman Jakobson. Objetivo, desse modo, delinear uma contribuição teórica que se coloca como dispositivo de leitura desta e de manifestações afins nos espaços públicos contemporâneos, fundamentada em uma interação com os estudos da linguagem como ferramenta analítica.


Texto completo:

PDF

Referências


ARAUJO, Marcelo da Silva. Vitrines de concreto na cidade: juventude e grafite de muros em São Gonçalo/RJ. Dissertação (Mestrado em Artes Visuais) – Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2003.

ARGAN, Giulio Carlo. O espaço visual da cidade. In: ______. História da arte como história da cidade 3.ed. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

BARTHES, Roland. Semiologia e urbanismo. In: _____. A aventura semiológica. Lisboa: Edições 70, 1987.

FABRIS, Annateresa. A rua como uma das belas artes. In: 8º ENCONTRO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES VISUAIS – Cidade-galeria: a arte e os espaços urbanos. Anais... Rio de Janeiro: EBA-UFRJ, 2001.

FRANÇOIS, Frédéric. Le langage et ses fonctions. In: MARTINET, André (Org.). Le langage, Paris: Pléiade, 1970.

JAKOBSON, Roman. Linguística e comunicação. São Paulo: Cultrix, 1971.

JOLY, Martine. Introdução à análise da imagem. Campinas: Papirus, 1996.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 2595-4792