Notas Sobre Identidade: A Escola como Espaço de (De) Construções Identitárias.

Jesus de Nazaré de Lima da Costa, Thaís Pimenta Pimentel, Rosa Maria Lourenço Arraes, Jonas Monteiro Arraes

Resumo


O artigo notas sobre identidade: a escola como espaço de (de) construções identitarias, tem como objetivo apresentar um pouco do referencial teórico sobre identidade e o debate sobre o cabelo crespo, no campo da simbologia, no contexto brasileiro, envolvendo crianças e adolescente. Destaca-se também neste texto as motivações que levaram a desenvolver um projeto sobre questões étnico-raciais envolvendo identidade e cabelo crespo, em uma escola pública do Município de Salvaterra em cumprimento da Lei 10.639/03 como política pública educacional para o enfrentamento ao racismo, preconceito e violência nos ambientes escolares, assim como, o resgate da cultura e história do povo negro, como preconiza a própria lei e as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. O artigo é um recorte do projeto de intervenção intitulado “Questões Étnico-raciais: a simbologia cabelo como possibilidade de afirmação da identidade negra”, defendida no “Curso de especialização em relações étnico-raciais para o ensino fundamental”, promovida pelo Núcleo Gera/UFPA.  O projeto tem contribuído para a desconstrução de estereótipos atribuídos aos negros e verbalizados a partir de apelidos pejorativos que visam desqualificar uma característica particular, tal como, o cabelo. Dessa forma, faremos uma pesquisa bibliográfica

Palavras-chave


Identidade. Cabelo. Escola. Cabelo Crespo.

Texto completo:

PDF

Referências


ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de Filosofia. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

ALUNA, Cartas feitas para a professora. Salvaterra Escola Municipal Ensino Infantil e Fundamental Zacarias Castro de Araújo, 2016.

BARROS, Ronaldo Crispim Barros. Políticas de Promoção da Igualdade Racial. Um novo redesenho das Políticas públicas o Brasil. In. COSTA, Kátia Regina da; SOUSA, Edileuza Penha de Souza (Org.). SRPPIR – PROMOVENDO A IGUALDADE RACIAL: Para um Brasil Sem Racismo. SEPPIR/Brasília-DF, 2016.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Tradução Fernando Tomaz. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1989. (coleção memória e sociedade).

BRASIL (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Diário Oficial.

BRASIL. Ministério da Educação. Plano Nacional de Implementação das Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação Das Relações Etnicorraciais e para o Ensino De História E Cultura Afrobrasileira e Africana. Brasília: MEC, [s.d.]. Disponível em: .

COELHO, Wilma de Nazaré Baía. SILVA, Carlos Aldemir Farias da. Preconceito, Discriminação e Sociabilidade na Escola. Revista de Educação Educere et Educare. Vol.10, n 20, jul. dez. 2015. p.687-705.

COOKE, Trish. Tanto, Tanto! Editora Ática,1999.

CURY, Carlos Roberto Jamil. Direito à Educação: Direito à Igualdade, Direito à Diferença. Cadernos de Pesquisa, n. 116, p. 245-262 julho/ 2002.

GOMES, Nilma Lino. Educação, identidade negra e formação de professores/as: um olhar sobre o corpo negro e o cabelo crespo. Revista Educação e Pesquisa, São Paulo, v.29, n.1, p. 167-182, jan./jun. 2003.

GOMES, Nilma Lino. Trajetórias escolares, corpo negro e cabelo crespo: reprodução dos estereótipos ou ressignificação cultural. Revista brasileira de Educação. nº. 21, set/out/nov/dez. p.40-51, 2002.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. (11ª. Edição). São Paulo: DP&A, 2006.

MALACHIAS, Rosangela. CABELO BOM. CABELO RUIM! Coleção Percepções da diferença. Negros e brancos na escola. 2007.

NASCIMENTO, Elisa Larkin. O Tempo dos povos Africanos. IPEAFRO-SECAD/MEC – UNESCO, 2007. (LIVRO).

SANTOS, Gislene Aparecida dos. Percepções da Diferença, vol. 1. COLEÇÃO PERCEPÇÃO DA DIFERENÇA – Negros e Brancos na Escola. São Paulo: Ministério da Educação, 2007, p 11-39.

SILVA, Tomaz Tadeu da. A produção social da identidade e da diferença In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2000.

SODRÉ, Muniz. A verdade seduzida. 2. ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1983.

SOUZA, Maria Elena Viana. Pluralismo Cultural e Multiculturalismo na Formação de Professores: espaços para discussões étnicas de alteridade. HISTEDBR. Campinas, n. 19, set. 2005.

VIEIRA, Kauê. BLACK POWER: INSTRUMENTO DE RESISTÊNCIA E CULTURA. Disponível em: http://www.afreaka.com.br/notas/black-power-instrumento-de-resistencia-e-cultura. Acessado em: 01 de set. 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.33025/ceb.v2i1.973

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2525-2879 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.