ENSINO DE BOTÂNICA: POSSIBILIDADES PARA A EDUCAÇÃO CIENTÍFICA EM UMA ESCOLA RIBEIRINHA NO SUDOESTE DO AMAZONAS

Paula Regina Humbelino de Melo, Eliane Regina Martins Batista, Thiago Ferreira Abreu, Tatiana Souza de Camargo, Daniele do Nascimento Ferreira

Resumo


A botânica é a ciência que estuda todas as características morfológicas, genéticas, fisiológicas e evolutivas dos vegetais, sendo seus conhecimentos essenciais para humanidade, uma vez que existe uma relação mútua com os seres vivos. Com a importância da botânica como ciência, este artigo apresenta uma análise da inserção de atividades didáticas no ensino de ciências naturais em uma escola ribeirinha no sudoeste do Amazonas, sendo o público-alvo estudantes de 7º, 8º e 9º ano da escola. A metodologia consistiu em uma breve análise do conteúdo sobre os vegetais no livro adotado pela escola, desenvolvimento de atividades práticas, como coleta de material botânico para a produção de exsicatas, aula prática de microscopia e o ensino lúdico, os dados foram analisados qualitativamente buscando refletir sobre o ensino de botânica na escola ribeirinha de São Miguel. Os resultados apontaram a importância da utilização de atividades práticas no processo de ensino de estudantes ribeirinhos, bem como as contribuições das atividades para a educação científica, além da necessidade de articulações de conhecimentos tradicionais e escolares. Diante dos resultados, é primordial que professores pensem em estratégias de interligação de conhecimento no ensino de ciências, principalmente ao considerar o público-alvo dessa pesquisa.

 

Palavras-chave


Biologia Vegetal. Ensino de Botânica. Educação Científica.

Texto completo:

PDF

Referências


ARRAIS, M. G. et al. O ensino de botânica: investigando dificuldade na prática docente. Revista do SBEnBio, Niteroí, v. 7, n.7, p. 5409-5418, 2014.

AÑEZ, R. B. S. Análise morfoanatômica das folhas e casca de Aspidosperma nitidum Benth. E Aspidosperma maregravianum Woodson (Apocynaceae) com abordagem farmacognóstica etnofarmacológica. 2009. Tese (Doutorado em Ciências Biológicas) - Instituto Nacional de Pesquisa na Amazônia, Manaus, 2009.

ALMEIDA, M. Z.; Plantas Medicinais. Salvador: EDUFBA. 2011.

DUARTE, L. A. Vivenciando Etapas do Método Científico por Meio do Ensino da Botânica em Ciências Naturais, Construção Possível em uma Escola Municipal de Cuiabá MT. 2015. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Naturais) - Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, 2015.

FIGUEIREDO, J. A. O Ensino de Botânica em uma abordagem ciência, tecnologia e sociedade: propostas de atividades didáticas para o estudo das flores nos cursos de ciências biológicas. 2009. Dissertação (Dissertação Ensino de Ciências e Matemática) - Universidade Católica de Minas Gerais, Minas Gerais, 2009.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares nacionais: Ciências da Naturais. Brasília, DF, MEC/SEF, 1998.

BRASIL. Resolução da Diretoria Colegiada/RDC Nº. 14, de 31 de março de 2010, Dispõe sobre o registro de medicamentos fitoterápicos. Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa, Brasília, DF, 31 mar. 2010. Disponível em: http://portal.crfsp.org.br/index.php/juridico-sp-42924454/legislacao/2027-resolucao-rdc-no-14-de-31-de-marco-de-2010.html. Acesso em: 19 mar. 2019.

BACK, G. P. M. Proposta de ensino de plantas medicinais com a utilização de exsicata. 2013. Especialização (Ensino de Ciências), Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Paraná, 2013.

CHASSOT. A, A ciência através dos tempos. São Paulo: Moderna, 2010.

CHASSOT. A, Alfabetização científica: uma possibilidade para a inclusão social. Revista Brasileira de Educação, Rio dos Sinos, n.22, p.89-100. 2002.

CORADIN, L. et al. Espécies Nativas da Flora Brasileira de valor Econômico Atual ou Potencial: Plantas para o Futuro- Região Sul. Brasília: MMA, 2011.

CURSINO DOS SANTOS, D. Y. A. et al. Ensino de Botânica - Curso para atualização de professores de Educação Básica: A Botânica no cotidiano. São Paulo: Projeto de Cultura e Extensão, 2008.

DUTRA, A. P.; GÜLLICH, R. I. C.; A botânica e suas metodologias de ensino. Revista da SBEnBIO, Niteroí, v.7, n. 7, p. 493-503, out., 2014.

FERNANDES, M. M.; SILVA, M.H.S. O trabalho experimental de investigação: das expectativas dos alunos às potencialidades no desenvolvimento de competências. Revista: ABRAPEC, Minas Gerais, v. 4, n. 1, Jan/Abr. 2004.

HERSHEY, D. R. Plant blindness: “we have met the enemy and he is us”. Plant Science Bulletin, New York, v. 48, n. 3, p. 78-85, 2002.

GIOPPO, C. et al. O ensino experimental na escola fundamental: uma reflexão de caso no Paraná. Revista: Educar, Curitiba, v. 1, n. 14, p. 39-57. 1998.

LUCKESI, C. C. Filosofia da Educação. São Paulo: Cortez, 2008.

KRASILCHIK, M. Prática de ensino de Biologia. São Paulo: Editora da Universidade Federal de São Paulo, 2011.

KINOSHITA, L.S. et al. A Botânica no Ensino Básico: relatos de uma experiência transformadora. São Carlos: RiMa, 2006.

MACEDO, L. et al. Os jogos e o lúdico na aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2007.

MACIEL, M. A. et al. Plantas Medicinais: A necessidade de Estudos Multidisciplinares. Revista Química Nova, São Paulo, v. 25, n. 3, p. 429-438, 2002.

MARANDINO, M. et al. Ensino de Biologia: história e práticas em diferentes espaços educativos. São Paulo: Cortez, 2009.

MARINHO SANTOS, L. Ecologia dos Saberes, a experiência de diálogo entre saberes científicos e tradicionais na comunidade quilombola da Rocinha. Revista Tempus, actas de saúde colet, Brasília, v. 8, n.2, p. 243-256, jun. 2014.

MELO, H. L. S. O ENSINO DAS CIÊNCIAS E OS SABERES VIVIDOS: Um estudo do ensino a partir do currículo da Escola Ribeirinha de Várzea no município de Parintins/AM. 2016. Dissertação (Educação em Ciências na Amazônia), Universidade do Estado do Amazonas, Manaus, 2016.

MELO SILVA, C. et al. O lúdico na prática educativa: gincana de ciências. In: Encontro de Debates sobre o Ensino de Química. 33., 2013. Rio Grande do Sul-RS, 2013.

Morin, Edgar. . A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento / Edgar Morin; tradução Eloá Jacobina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.

OLIVEIRA, F. C. et al. Avanços nas pesquisas etnobotânica no Brasil. Revista: Acta Botânica Brasília, Feira de Santana, v. 23, n. 2, p.590-605, mar/abr. 2009.

RODRIGUES MELO, T. L. et al. Ensino de ciências através de gincanas educativas: uma proposta de ludicidade. In: Congresso Nacional de Pesquisa e ensino de ciências, n. 1, 2016. Campina Grande – PB, 2016.

SALATINO, A. Nós e as plantas: ontem e hoje. Revista Brasil Botânica, São Paulo, v. 24. n. 4, p. 483-490, dez, 2001.

SANTOS, F. S. S. A Botânica no Ensino Médio: Será que é preciso apenas memorizar nomes de plantas? In C. C. Silva (Org.), Estudos de história e filosofia das ciências: Subsídios para aplicação no ensino. São Paulo: Livraria da Física, 2006.

SILVA, T. S. A Botânica na Educação Básica: concepções dos alunos de quatro escolas públicas estaduais em João Pessoa sobre o Ensino de Botânica. 2015. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciado em Ciências Biológicas), na Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2015.

URSI, S.; SCARPA, D. L. Ensino de Ciências por investigação: sequência didática “Mata Atlântica - Restinga”. São Paulo: Instituto de Biociências, 2016.

WANDERSEE, J. H.; SCHUSSLER, E. E. Towards a theory of plant blindness. Plant Science Bulletin, New York, v. 47, n. 1, p. 2-9, 2001.

WANDERSEE, J. H.; SCHUSSLER, E. E. Preventing plant blindness, The American Biology Teacher. Advances in research towards a theory of plant blindness, New York, v. 61, n.1, p. 84-86, 1999.




DOI: http://dx.doi.org/10.33025/ceb.v7i1.3577

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2525-2879 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.