PROJETO HORTAS ESCOLARES: A IMPORTÂNCIA DE AÇÕES EXTRACURRICULARES NA EDUCAÇÃO E A INTRODUÇÃO DO TEMA AMBIENTAL

Aluísio Barreto da Silva, Thatianna Saint'Anna Gonçalves

Resumo


O presente artigo tem como objetivo dissertar sobre a importância e a necessidade do desenvolvimento projetos educacionais que envolvam temas ambientais no ensino fundamental através da análise dissertativa, em caráter compilatório e demonstrativo do projeto Hortas Escolares que reuniu unidades escolares de áreas diferentes, contemplando escolas de todas as áreas de abrangências das onze Coordenadorias Regionais de Educação da Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro.


Será abordada aqui a experiência do Projeto Hortas Escolares, introduzido na rede municipal de educação do Rio de Janeiro durante o segundo semestre de 2018 e seu funcionamento até o final do ano letivo de 2019.


Será feita a defesa argumentativa da validação de políticas públicas através de projetos e ações pedagógicas extracurriculares que promovem, por meio de suas diferentes linguagens metodológicas, elementos significativos para desafios diferentes da educação e do processo de ensino aprendizagem.


Palavras-chave


Educação, Práticas Pedagógicas, Aprendizagem significativa, Ensino, Hortas Escolares.

Texto completo:

PDF

Referências


BARROS, M. I. A (ORG) Desemparedamento da infância: a escola como lugar de encontro com a natureza. Rio de Janeiro: alana, 2018.

BRASIL. Mapeamento dos desertos alimentares do Brasil. Brasília, CAISAN, 2018.

________. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Educação é a Base. Brasília, MEC/CONSED/UNDIME, 2017.

________. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CES nº 4, de 13 de julho de 2010. Define as Diretrizes e Normas Nacionais para a Oferta de Programas e Cursos de Educação Superior na Modalidade a Distância. Brasília: Diário Oficial [da República Federativa do Brasil], 14/jul, 2010. Seção 1, p. 824.

_______. Política Nacional de Educação Ambiental, Lei 9795. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil], Brasília, DF, 27 abr. 1999.

COELHO, Fernando de Souza; PIRES, Valdemir; SECCHI, Leonardo. Políticas Públicas, conceitos, casos práticos, questões de concurso. 3ª ed. São Paulo, SP, Cengage, 2019.

DURAN. A. Ambiente Alimentar urbano em São Paulo. In.Brasil: avaliação, desigualdades e associação com consumo alimentar. São Paulo, SP: Faculdade de saúde pública, Universidade de São Paulo; 2013.

FANTI, Aline Campelo. Horta escolar e seu potencial Transformador. In ARRUDA, Luis Gustavo (Orgs.). Sustentabilidades, Gestão Pública e Hortas Escolares. Perspectivas diante da crise socioambiental. São Paulo (SP), 2020.

GADOTTI, Moacir, Pedagogia da terra. São Paulo. Petrópolis, 2000.

HOFLING, E. M. Estado e Políticas (públicas) sociais. Caderno Cedes, ano XXI, nº55, nov. 2001.

ILLERIS, Knud (ORG). Teorias Contemporâneas da aprendizagem. Porto Alegre, Penso, 2013.

LOPES, R.C.S. Políticas Públicas: Os governos e o meio ambiente no Brasil do século XIX. Cadernos EBAP, Rio de Janeiro, nº 76. Set. 1995.

MILÃO. Pacto de Milão sobre políticas de alimentação urbana. 2015. Disponível em acesso em 01set. 2020.

OLIVEIRA, Ricardo de. Gestão Pública: democracia e eficiência: uma visão prática e política – Rio de Janeiro: Editora FGV, 2012.

ONU BRASIL. Website agenda 2030. Disponível em acesso em 28 ago. 2020.

PARADA, Eugênio Lahera. Política y Políticas Públicas. In: FERRAREZI, Elizabeth; SARAIVA, Enrique (Orgs.) Políticas Públicas: Coletânea. Brasília: ENAP, 2006. p. 67-95.

RIO DE JANEIRO, Plano Municipal de Educação (PME). Lei Municipal N° 6.362/2018.




DOI: http://dx.doi.org/10.33025/ceb.v7i1.3204

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2525-2879 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.