ENSINO DE CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO CIENTÍFICA: PRÁTICAS PEDAGÓGICAS EM ESCOLAS PÚBLICAS SUL CEARENSES

Paulo Ricardo Batista, Maria Clara Nogueira Torres, Isabel dos santos Azevedo, Francisca Palloma Matias Vila Nova, Elaine Cristina Conceição de Oliveira, Cicero Magérbio Gomes Torres

Resumo


Despertou-nos interesse investigar o desenvolvimento das práticas pedagógicas promotoras da educação científica no contexto de quatro escolas sul cearenses sob a perspectiva discente e docente. Notou-se no alunado informante em relação às aulas de Ciências, interesse e curiosidade, grande parte costuma fazer perguntas e como melhorias ressaltam os laboratórios e aulas práticas. O corpo docente amostral apontou em sua maioria tendências tradicionais e construtivistas nas instituições de trabalho e empregar a pesquisa, aulas expositivas dialógicas e diálogos e reflexões por meio de debates na prática docente. Feiras de ciências, projetos e exposições também são atividades realizadas para aproximar os discentes da educação científica. Nesse sentido, a trama dos resultados nos permitiu identificar lacunas e aspectos positivos, relevantes pontos de atenções e reflexões.


Palavras-chave


Cultura científica. Processo de ensino-aprendizagem. Estratégias didáticas. Formação científica. Aulas de Ciências.

Texto completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS

ATAIDE, M. C. E. S.; SILVA, B. V. C. As metodologias de ensino de ciências: contribuições da experimentação e da história e filosofia da ciência. HOLOS, v. 4, p. 171-181, 2011.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições, v. 70, 1977, 225 p.

BERBEL, N. A. N. A problematização e a aprendizagem baseada em problemas: diferentes termos ou diferentes caminhos. Interface (Botucatu), v. 2, n. 2, p. 139-154, 1998.

BEREZUK, P. A.; INADA, P. Avaliação dos laboratórios de ciências e biologia das escolas públicas e particulares de Maringá, Estado do Paraná. Acta Scientiarum. Human and Social Sciences, v. 32, n. 2, p. 207-215, 2010.

BRASIL. Lei 4.024, de 20 de dezembro de 1961. Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília: DF. 1961a. Disponível em: http://parlared.net/old/images/leyes/18-Diretrizes_e_Bases_da_Educacao_Nacional_1961.pdf. Acesso em: 25 de abril de 2020.

______. Lei nº 5.692, de 11 de agosto de 1971. Fixa diretrizes e bases para o ensino de 1º e 2º graus, e dá outras providências. Diário Oficial da União, 1971b. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1970-1979/lei-5692-11-agosto-1971-357752-publicacaooriginal-1-pl.html. Acesso em: 25 de abril de 2020.

______. Parâmetros curriculares nacionais: Ciências Naturais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998c, 138 p. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/ciencias.pdf. Acesso em: 25 de abril de 2020.

BRICCIA, V.; CARVALHO, A. M. P. Competências e formação de docentes dos anos iniciais para a educação científica. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, v. 18, n. 1, p. 1-22, 2016.

CABRERA, W. B. A ludicidade para o Ensino Médio na disciplina de Biologia: contribuições ao processo de aprendizagem em conformidade com os pressupostos teóricos da Aprendizagem Significativa. 2007. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2007, 158 p.

CACHAPUZ, A.; GIL-PEREZ, D.; CARVALHO, A. M. P.; PRAIA, J.; VILCHES, A (org). A necessária renovação do ensino das ciências. São Paulo: Cortez, 2005, 263 p.

COSTA, L. D.; MELLO, G. J.; ROEHRS, M. M. Feira de Ciências: aproximando estudantes da educação básica da pesquisa de iniciação científica. Ensino em Revista, v. 26, n. 2, p. 504-523, 2019.

DEMO, P. Educação científica. Boletim Técnico do Senac, v. 36, n. 1, p. 15-25, 2010.

FERREIRA, L. S. A pesquisa educacional no Brasil: tendências e perspectivas. Contrapontos, v. 9, n. 1, p. 43-54, 2009.

GALIAZZI, M. C.; MORAES, R. Educação pela pesquisa como modo, tempo e espaço de qualificação da formação de professores de ciências. Ciência & Educação (Bauru), v. 8, n. 2, p. 237-252, 2002.

GIL, A. C. Como classificar as pesquisas. In: Gil, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, p. 41-57, 2002.

HEIDELMANN, S. P.; PINHO, G. S. A.; LIMA, M. C. P. O professor formador em foco: identidade e concepções do fazer docente. Química Nova na Escola, v. 39, n. 4, p. 356-367, 2017.

HERMES, S. T. Metodologia do ensino de Ciências Naturais [recurso eletrônico]. 1. ed. RS: UFSM, NTE, 2019, 73 p.

KRASILCHIK, M. Reformas e realidade: o caso do ensino das ciências. São Paulo em Perspectiva, v. 14, n. 1, p. 85-93, 2000.

LOPES, T. O. Aula expositiva dialogada e aula simulada: comparação entre estratégias de ensino na graduação em enfermagem. 2012. Dissertação (Doutorado em Ciências) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012, 126 p.

LÜDKE, M. A complexa relação entre o professor e a pesquisa. In: ANDRÉ, M. (org.). O papel da pesquisa na formação e na prática dos professores. Campinas: Papirus, p. 27-54, 2001.

MIRANDA, E.; TORRES, F. S. Uso de aulas práticas investigativas na consolidação da aprendizagem e vivência do método científico-uma abordagem sobre grupos sanguíneos do sistema ABO. Experiências em Ensino de Ciências, v. 13, n. 4, p. 323-338, 2018.

MORTIMER, E. F. Construtivismo, mudança conceitual e ensino de ciências: para onde vamos? Investigações em Ensino de Ciências, v. 1, n. 1, p. 20-39, 2016.

OLIVEIRA, T. M. V. Amostragem não probabilística: adequação de situações para uso e limitações de amostras por conveniência, julgamento e quotas. Administração On Line, v. 2, n. 3, p. 01-10, 2001.

OLIVEIRA, C.; MOURA, S. P.; SOUSA, E. R. TIC’S na educação: a utilização das tecnologias da informação e comunicação na aprendizagem do aluno. Pedagogia em Ação, v. 7, n. 1, p. 75-94, 2015.

PIETROCOLA, M. Curiosidade e imaginação: os caminhos do conhecimento nas ciências, nas artes e no ensino. In: CARVALHO, A. M. P. (org.). Ensino de Ciências: unindo a pesquisa e a prática. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2004, 154 p.

SASSERON, L. H.; CARVALHO, A. M. P. Ensino por CTSA: almejando a alfabetização científica no Ensino Fundamental. STSE teaching: seeking scientific literacy in elementary school. 2017. Disponível em: http://www.nutes.ufrj.br/abrapec/vienpec/CR2/p487.pdf. Acesso em: 15 de maio de 2020.

SILVA, R. L.; SANTOS, B. F. A dimensão epistêmica no discurso de sala de aula de química: um estudo sobre os questionamentos. Scientia Naturalis, v. 1, n. 2, p. 58-68, 2019.

SOUZA, F. N.; MOREIRA, A. Perfis de questionamento em contextos de aprendizagem online. IE Comunicaciones: Revista Iberoamericana de Informática Educativa, n. 12, p. 15-25, 2010.

SPECHT, C. C.; RIBEIRO, M. E. M.; RAMOS, M. G. A importância da pergunta dos aprendentes no ensino e na aprendizagem em Ciências. In: X Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências (X ENPEC), Águas de Lindóia, p. 1-8, 2015.

TANAKA, A. L. D.; RAMOS, R. A.; ANIC, C. C. Contribuições do PIBID para o ensino de ciências: Ação-Reflexão-Ação em uma escola pública de Manaus/Am. Revista Práxis, v. 5, n. 9, p. 43-49, 2013.

THIESEN, J. S. A interdisciplinaridade como um movimento articulador no processo ensino-aprendizagem. Revista Brasileira de Educação, v. 13, n. 39, p. 545-598, 2008.

VERAS, R. S.; FERREIRA, S. P. A. A afetividade na relação professor-aluno e suas implicações na aprendizagem, em contexto universitário. Educar em Revista, n. 38, p. 219-235, 2010.

VILARINHO, L. R. G.; MONTEIRO, C. C. R. Projetos de Educação Ambiental escolar: uma proposta de avaliação. Revista Brasileira de Educação Ambiental (RevBEA), v. 14, n. 1, p. 439-455, 2019.




DOI: http://dx.doi.org/10.33025/ceb.v5i1.2515

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2525-2879 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.