Recuperação paralela, CAIS e Napnes têm novidades em 2019

 

O Colégio Pedro II desenvolve uma série de projetos e iniciativas para estimular o desenvolvimento pedagógico e aprendizado de seus estudantes. Para esclarecer a comunidade escolar sobre essas ações que buscam atender estudantes com baixo desempenho ou com necessidades especiais, a pró-reitora de Ensino, Eliana Myra, apresenta as novidades previstas para 2019 relacionadas a iniciativas como a recuperação paralela, o projeto CAIS e o Napne.

 

Recuperação paralela

As aulas de recuperação paralela são um direito de todos os alunos, de todas as séries. Elas são obrigatórias e oferecidas a estudantes que apresentam baixo rendimento em alguma disciplina e para aqueles que foram aprovados pelo Conselho de Classe (CoC). Até o final de 2018, o reforço escolar era garantido apenas para as disciplinas de Português, Matemática, Química, Física e Biologia.

 

A partir deste ano, as aulas de recuperação paralela passam a ser oferecidas por todas as disciplinas. Com o início do ano letivo, todos os professores realizarão uma avaliação de diagnóstico com suas turmas para verificar possíveis dificuldades. Os estudantes que não obtiverem um desempenho satisfatório podem ser encaminhados para essas aulas de recuperação paralela. As turmas são formadas com até 20 estudantes, com aulas no contraturno.

 

“Os responsáveis por esses alunos indicados para as aulas de recuperação paralela serão comunicados sobre a importância desse acompanhamento. É importante lembrar que o aluno não necessariamente precisa atender a essas aulas durante todo o ano letivo. A partir do momento em que uma determinada deficiência for sanada o aluno não precisa mais frequentar”, pontua a pró-reitora.

 

Classe de Adequação Idade-Série (CAIS)

No Colégio Pedro II há um número significativo de estudantes que cursam séries que não condizem com suas faixas etárias, devido às retenções em uma ou mais séries durante a trajetória escolar. Assim, em 2018, foi criado o projeto CAIS com o objetivo de oferecer a esses estudantes um ambiente diferenciado de aprendizado, no qual possam desenvolver habilidades e competências para darem prosseguimento à vida acadêmica com maiores possibilidades de sucesso.

 

O projeto foi implementado nos campi São Cristóvão II e Engenho Novo II, com estudantes do ensino fundamental, com duas turmas em São Cristóvão II (equivalentes ao 8º e 9º anos) e duas turmas no Engenho Novo II (uma equivalente ao 6 e 7º anos e outra ao 8º e 9º anos). Nesse período, 80 estudantes foram beneficiados pelo projeto.

 

Em 2019, o projeto continua nesses campi da seguinte forma: SCII oferecerá três turmas de CAIS (uma equivalente ao 6º e 7º anos e duas equivalentes ao 8º e 9º anos); já o ENII terá uma turma de CAIS (equivalente ao 8º e 9º anos). A previsão é atender também 80 alunos.

 

“Os professores desenvolveram uma série de materiais e abordagens diferenciadas para esses alunos e conseguimos motivá-los. O rendimento e aproveitamento foi muito bom. Está sendo uma experiência realmente exitosa”, elogia Eliana.

 

Núcleos de Atendimento a Pessoas com Necessidades Específicas (Napne)

Os Napnes são responsáveis pela atendimento aos educandos com necessidades específicas, oferecendo suporte educacional e atendimento pedagógico especializado para o desenvolvimento de suas competências e habilidades.

 

Sua equipe de profissionais é composta por professores das diferentes disciplinas, professores com especialização em Atendimento Educacional Especializado (AEE), pedagogos, fonoaudiólogos, técnicos em assuntos educacionais, revisor e transcritor de Braille, tradutor/intérprete de Libras e profissionais de apoio escolar.

 

O Napne atende não apenas o público alvo da Educação Especial (pessoas com deficiência visual, auditiva, física, intelectual, mental, com transtorno global do desenvolvimento ou com superdotação/altas habilidades), mas também todos aqueles que apresentam dificuldades ou impedimentos no seu desenvolvimento acadêmico ou em relações interpessoais.

 

O encaminhamento de estudante é feito por meio de diagnóstico ou indicação médica ou por avaliação pedagógica realizada nos CoCs.

 

Em 2019, as equipes dos Napnes na Educação Infantil e nos campi I ganharão um reforço com a contratação de professores com formação voltada para o atendimento especial. “Priorizamos os campi I para receber os professores pois acreditamos que é nos anos iniciais do ensino fundamental que podemos detectar os alunos que necessitam desse tipo de atendimento e contribuir para desenvolvê-los da melhor forma possível”, explica Eliana.

 

Segundo a pró-reitora, o Napne Geral será responsável por detectar os campi que necessitam desses profissionais, incluindo também o Centro de Referência em Educação Infantil Realengo (Creir), e encaminhá-los para as equipes.

 

 

 

Assessoria de Comunicação Social

 

Acessos Hoje:17126  Total Acessos:7999452